/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Ácido Jasmônico na Resiliência das Plantas

ácido jasmônico

O ácido jasmônico é um hormônio vegetal de grande importância, sendo um componente chave na capacidade de resposta das plantas a diferentes cenários de estresse, sejam eles de natureza biótica, como os decorrentes de ataques de pragas, ou abióticos, resultantes de condições ambientais adversas. 

Você pode estar se perguntando: o que é esse tal de ácido jasmônico?  É um hormônio natural produzido pelas plantas. Esse hormônio faz parte de uma classe de compostos chamada fitormônios, que são fundamentais na coordenação de diversos processos biológicos nas plantas. Entender esses fatos é crucial para você compreender melhor a importante função que o ácido jasmônico desempenha na manutenção e sobrevivência das nossas indispensáveis plantas.

Além de sua crucial participação na defesa vegetal, o ácido jasmônico tem papel fundamental na regulação do crescimentodesenvolvimento das plantas. Ademais, é importante ressaltar que este hormônio está relacionado à produção de compostos secundários com potencial medicinal. 

Devido a esta miríade de funções complexas e relevantes, o ácido jasmônico é indiscutivelmente um componente vital para a vida vegetal

A pergunta que surge, então, é: como esse hormônio vegetal pode exercer tamanha influência no ciclo de vida das plantas? Neste artigo, vamos aprofundar no universo do ácido jasmônico e explorar a importância deste hormônio para a vida e desenvolvimento vegetal.

Ácido Jasmônico: O Hormônio Essencial das Plantas

O ácido jasmônico desempenha um papel crucial no desenvolvimento e manutenção de uma planta saudável. Essencialmente, pode ser comparado a um gerente geral de uma organização, orientando respostas ao estresse e coordenando a biossíntese de compostos secundários. Em defesa das plantas, essa substância hormonal entra em cena, prontamente ativando os mecanismos de defesa mediante possíveis ameaças, como ataques de insetos ou condições ambientais adversas. 

Em cenários onde a planta é ferida ou atacada por pragas, o ácido jasmônico faz valer a sua função protetora. Ele incita a produção de compostos defensores, tais como fitoalexinas e proteínas que inibem enzimas potencialmente prejudiciais. Concomitantemente, ele age para fechar os estômatos – pequenas aberturas na superfície das folhas que permitem a troca de gases – estabelecendo assim uma barreira adicional contra os agressores. 

Cerca de 10% dos genes de Arabidopsis thaliana são regulados pelo ácido jasmônico

Para além de seu papel defensor, o ácido jasmônico também contribui efetivamente para o desenvolvimento da planta. Ele está envolvido na germinação de semente, bem como no crescimento vigoroso da raiz. Em baixas concentrações, essa substância serve como um estímulo ao crescimento. Por outro lado, em altas concentrações, ele limita o alongamento celular, impedindo que a planta cresça excessivamente, ou a um ritmo muito acelerado.

O Hormônio da Sobrevivência Vegetal

Mesmo ao enfrentar adversidades climáticas, pragas e outras condições estressantes, elas continuam a crescer e se desenvolver. Este fenômeno tem muito a ver com o papel do ácido jasmônico: um hormônio vegetal verdadeiramente essencial. 

O ácido jasmônico funciona como um sinalizador de emergência dentro da planta. Quando surgem ameaças, como a presença de um inseto faminto, o ácido é produzido e transportado por toda a planta. Este hormônio ativa vários mecanismos de defesa, que podem incluir o fechamento dos estômatos (os “poros” das plantas) para evitar a perda de água, a inibição do crescimento para conservar recursos, e a produção de compostos defensivos. 

Mas não pense que o papel deste incrível hormônio se restringe apenas a momentos de crise. O ácido jasmônico também desempenha um papel ativo no desenvolvimento e crescimento das plantas. Ele está envolvido em processos importantes como a germinação de sementes, crescimento da raiz, e formação de flores e frutos. Dependendo da concentração, o ácido jasmônico pode tanto estimular quanto inibir o crescimento, demonstrando sua versatilidade. 

Além disso, esse hormônio também está envolvido no processo de senescência, ou envelhecimento das plantas. O acúmulo de ácido jasmônico pode levar à regulação de genes que atuam na degradação de proteínas e clorofila durante este processo. Portanto, ele ajuda a planta a gerenciar seu ciclo de vida de maneira eficiente. 

Por fim, vale destaque para outra faceta do ácido jasmônico: a produção de compostos secundários, muitos dos quais apresentam propriedades medicinais ou antioxidantes. Além disso, o ácido jasmônico medeia interações entre as plantas e outros organismos, o que pode ser tanto benéfico quanto prejudicial. 

Desvendando a Biossíntese do Ácido Jasmônico

O ácido jasmônico tem sua origem no metabolismo dos lipídeos, mais especificamente através do ácido linolênico, um ácido graxo poli-insaturado. Através de uma série de reações enzimáticas, o ácido linolênico é convertido em ácido jasmônico. Este processo, que é conhecido como a via de biossíntese do ácido jasmônico, é altamente complexo e envolve várias etapas e enzimas. 

Essa via enzimática começa com a liberação do ácido linolênico da membrana celular das plantas, um processo que é disparado por sinais de estresse. Subsequentemente, esta molécula é convertida numa série de intermediários até chegar ao ácido jasmônico. 

Em condições de estresse, a produção de ácido jasmônico pode aumentar em até 100 vezes

É interessante notar que a via de biossíntese do ácido jasmônico é altamente regulada. Isso permite que as plantas controlem com precisão a quantidade de ácido jasmônico que é produzido, garantindo que o hormônio seja produzido apenas quando necessário e na quantidade certa para enfrentar o estresse ambiental

Com uma compreensão mais profunda desta via bioquímica, os cientistas esperam melhorar a capacidade das plantas de resistir a estresses ambientais, o que pode ter importantes implicações para a agricultura e a conservação.

Fatos relevantes 

  1. O ácido jasmônico é sintetizado amplamente nas partes verdes das plantas, especialmente nas folhas.
  2. Trabalhos de pesquisa evidenciam que altos níveis de ácido jasmônico resultam em um retardo do amadurecimento de frutos, demonstrando seu papel importante na fase de maturação.
  3. Quando as plantas são expostas a condições de tensão, tais como frio, calor, secura, inundações, salinidade, doenças, ou infestação por pragas, os níveis de ácido jasmônico aumentam rapidamente.
  4. Este hormônio vegetal também desempenha um papel essencial na sinalização de defesas químicas, permitindo às plantas responder eficazmente a insetos predadores e patógenos causadores de doenças.
  5. O ácido jasmônico tem sido alvo de estudos recentes que revelam seu papel na promoção da tolerância ao estresse salino em plantas, um problema crescente na agricultura global devido à salinização do solo.
  6. Além de suas funções nas plantas, o ácido jasmônico tem sido explorado para potenciais aplicações medicinais em humanos, incluindo a sua eficácia como um agente antitumoral.
  7. Pesquisas têm mostrado que o ácido jasmônico pode ser utilizado para melhorar a capacidade das plantas de se proteger contra os raios UV, o que poderia ser particularmente útil no contexto das mudanças climáticas.

As Múltiplas Funções do Ácido Jasmônico no Metabolismo Vegetal

O ácido jasmônico é um hormônio vegetal crítico que desempenha várias funções no metabolismo vegetal. Ele tem um papel central na modulação de respostas ao estresse, como ataques de pragas e condições ambientais adversas (Creelman e Mullet, 1997). 

Este hormônio desencadeia uma série de mecanismos de proteção nas plantas, tais como o aumento da produção de substâncias defensivas chamadas fitoalexinas e proteínas que inibem a atividade de enzimas. As fitoalexinas são compostos que funcionam como antibióticos naturais, enquanto que as proteínas inibidoras de enzimas interferem no metabolismo de insetos que se alimentam das plantas, impedindo seu crescimento e desenvolvimento (Zavala et al., 2004).

O ácido jasmônico também é responsável pelo fechamento dos estômatos das plantas, o que ajuda a minimizar a perda de água durante a transpiração. Essa ação é especialmente importante para a sobrevivência das plantas em ambientes secos ou em situações de estresse hídrico (Zhang et al., 2011). 

Além disso, o ácido jasmônico inibe o crescimento vegetal, principalmente em condições de estresse, o que pode ser essencial para a sobrevivência da planta já que ela pode direcionar seus recursos para a defesa ao invés do crescimento (Kazan, 2015). 

Esse hormônio também está envolvido na regulação do crescimento e desenvolvimento das plantas, sendo fundamental na germinação de sementes, crescimento da raiz, formação de flores e frutos (Wasternack e Hause, 2013). De fato, a função do ácido jasmônico é tão crucial que a sua falta ou mau funcionamento pode comprometer seriamente o ciclo de vida da planta (Chini et al., 2007). 

Resumo das funções

Funções do Ácido JasmônicoCultura IdentificadaAutor
Ativação de mecanismos de defesaPlantas de tabacoWasternack e Hause, 2013
Indução da produção de fitoalexinas e proteínas inibidoras de enzimasTomate e feijãoChini et al., 2007
Fechamento de estômatosPlanta ArabidopsisMelotto et al., 2006
Inibição do crescimentoCevadaWu et al., 2008
Regulação do crescimento e desenvolvimento das plantasArrozTiwari et al., 2017
Mediador de interações interespecíficasFlores de tíliaBlande et al., 2014
Envolvimento no processo de senescênciaMaçãZhang et al., 2016
Indução de compostos secundários medicinaisCitrusRios et al., 2017

Entendendo o Papel do Ácido Jasmônico nas Respostas ao Estresse

A plantas, em sua resiliência, as plantas possuem diversos mecanismos de resistência aos estresses. Um deles envolve um ator muito importante: o ácido jasmônico. Este poderoso agente é fundamental na resposta das plantas ao estresse causado por ataques de insetos, ferimentos ou condições ambientais adversas. 

Numa situação de estresse, o ácido jasmônico é produzido pelas plantas para ativar uma série de respostas de defesa. Um grande exemplo é o fechamento de estômatos, pequenos orifícios usados para a troca gasosa na folha da planta, de forma a evitar a perda excessiva de água durante períodos de estresse hídrico. Além disso, o ácido jasmônico é capaz de induzir a produção de proteínas inibidoras de enzimas, reduzindo a digestibilidade de suas folhas para os insetos e, consequentemente, tornando a planta menos apetitosa. 

A deficiência de ácido jasmônico pode levar a uma redução de até 70% na resistência a insetos

Não para por aí. O ácido jasmônico também tem a capacidade de desencadear a liberação de compostos químicos específicos chamados fitoalexinas, que são tóxicos para muitos patógenos e insetos. Isso permite que a planta defenda-se de um amplo espectro de agressores, reforçando sua capacidade de sobrevivência. 

Portanto, o ácido jasmônico serve como uma espécie de “alarme” para a planta, iniciando uma série de respostas de defesa eficazes contra vários estresses. Essa capacidade permite que as plantas enfrentem os desafios impostos pelo ambiente e continuem a se desenvolver mesmo nas condições mais desfavoráveis. De fato, o ácido jasmônico é a prova da incrível capacidade de adaptação das plantas.

Mecanismo de Ação do Ácido Jasmônico

Você deve se perguntar como esse ácido surpreendente consegue desempenhar tantas funções cruciais para desenvolvimento e sobrevivência da planta. Tudo se resume ao seu mecanismo de ação complexo, mas igualmente cativante. 

 Em essência, o ácido jasmônico interage com vários reguladores de crescimento das plantas, como auxinas e etileno. Esse é um processo que envolve a ativação de genes de defesa através de algo chamado sinalização celular. Imagine uma rede de telefones internos em um grande escritório. Uma mensagem de alerta pode ser enviada de uma mesa para outra rapidamente, permitindo uma ação imediata. Essa é essencialmente a mesma maneira que o ácido jasmônico funciona em nível molecular nas plantas. 

 Este hormônio faz as plantas agirem de maneira semelhante quando expostas a estresse. Eles respondem liberando o ácido jasmônico para ativar o mecanismo de defesa. Após a detecção de um estresse, o ácido jasmônico é liberado que atua como um “telefone interno”, sinalizando para as células ativarem seus mecanismos de defesa específicos, permitindo que a planta sobreviva e prospere, mesmo quando em condições adversas. 

 Além disso, o ácido jasmônico desempenha um papel fundamental na inibição do crescimento. Parece contra-intuitivo, certo? Por que um hormônio que ajuda nas funções vitais das plantas inibiria o crescimento? Bem, considere isso uma estratégia de sobrevivência. Em situações de estresse, a planta freia seu crescimento para direcionar mais energia para os mecanismos de defesa. E o ácido jasmônico é a chave que desencadeia essa resposta. 

Agora, esperamos que você tenha uma compreensão mais clara de como esse poderoso hormônio vegetal desempenha um papel tão monumental na sobrevivência de nossos ecossistemas vegetais. Sim, o ácido jasmônico é realmente tão importante assim!

Resumo do mecanismo de ação 

  1. O ácido jasmônico é produzido como resposta a estresses ambientais, ferimentos ou ataques de pragas.
  2. Uma vez sintetizado, o ácido jasmônico induz o fechamento dos estômatos, limitando assim a perda de água e entrada de patógenos.
  3. Através da sinalização celular, este hormônio ativa genes cooperativos na defesa vegetal. Isso acelera a produção de fitoalexinas e proteínas que inibem enzimas patogênicas.
  4. Em situações de stress contínuo, o ácido jasmônico inibe o crescimento das plantas, permitindo que a energia da planta seja direcionada para mecanismos de defesa.
  5. O ácido jasmônico também interage com outros hormônios de plantas, como auxinas e etileno, para modificar a resposta das plantas ao stress.

Como o Ácido Jasmônico Ajuda na Adaptação das Plantas a Ambientes Desfavoráveis

Imagino que você já sabe que o ambiente ao redor de uma planta pode ser recheado de desafios, certo? Bem, O ácido jasmônico atua exatamente no auxílio às plantas para superar esses obstáculos. No caso de condições adversas, como clima seco ou ataque de praga, o ácido jasmônico é produzido e liberado pelas plantas em resposta a esses desafios. Essa substância funciona como um sinalizador de estresse, auxiliando as plantas a se adaptarem ao ambiente. 

Enquanto você lê isso, pode estar se perguntando como isso realmente acontece. Basicamente, o ácido jasmônico ativa uma série de defesas nas plantas. Isso inclui o fechamento de estômatos para evitar a perda de água em condições secas, a produção de proteínas inibidoras de enzimas para combater pragas e a inibição do crescimento, permitindo que a planta concentre sua energia na sobrevivência. 

Interessante, não é verdade? Mas isso não para por aqui. O papel do ácido jasmônico é tão importante que ele até interage com outros reguladores de crescimento, como auxinas e etileno, para coordenar a resposta da planta. É uma ação em equipe genial de mecanismos de defesa vegetais e hormônios. 

Assim, o ácido jasmônico tem a função essencial de ajudar a equilibrar a necessidade da planta de continuar crescendo e se desenvolvendo, mesmo diante de adversidades externas. Ele tem, sem dúvidas, um papel crucial na garantia da sobrevivência das espécies vegetais ao longo de séculos.

Interagindo com Outros Organismos: O Papel Mediador do Ácido Jasmônico

Quando falamos de plantas e seu ambiente, a interação com outros organismos é uma realidade inevitável. O papel do ácido jasmônico nesse cenário é fascinante. Como um verdadeiro maestro da natureza, ele medeia interações entre plantas e outros seres, como bactérias, fungos micorrízicos, nematóides e insetos. 

Estas interações podem ter uma variedade de resultados para a planta. Elas podem ser benéficas em alguns casos, como é o caso das relações de simbiose. Por exemplo, a associação simbiótica entre plantas e fungos micorrízicos contribui para aumentar a absorção de nutrientes e água do solo pela planta, aumentando assim a sua fitness e potencial produtivo. 

O ácido jasmônico é responsável por mediar interações entre plantas e outros organismos em 90% das espécies vegetais estudadas.

No entanto, nem todas as interações são amigáveis. O ácido jasmônico também atua na defesa da planta quando insetos herbívoros a atacam, desencadeando respostas de defesa do tipo “luta ou fuga”. Nesses casos, o hormônio planta um papel crucial na sobrevivência da planta. 

Em resumo, o ácido jasmônico é uma manifestação palpável do complexo e sutil equilíbrio que a natureza estabelece entre as plantas e o seu ambiente. Este hormônio desempenha um papel crucial, operando de maneira impecável para preservar a harmonia do ecossistema.

Interações 

Outros HormôniosInteração com Ácido JasmônicoCultura EvidenciadaAutor
AuxinasO ácido jasmônico interage com auxinas no crescimento da raiz e desenvolvimento de frutosTomateKazan (2006)
EtilenoO ácido jasmônico e o etileno trabalham juntos em várias respostas ao estresse, incluindo a defesa contra patógenosArrozVan Wees et al. (2008)
GiberelinasJasmônico e giberelinas regulam juntos a germinação de sementes e o alongamento celularTrigoLi et al. (2013)
CitocininasA citoquinina e o ácido jasmônico cooperam na regulação da divisão celular e alongamento do caule.FeijãoJiang et al. (2016)
Ácido SalicílicoO ácido jasmônico e o ácido salicílico trabalham conjuntamente na resposta a patógenos e estresses bióticos.MilhoZhang et al. (2010)
Ácido AbscísicoEste ácido e o jasmônico atuam juntos na resposta ao estresse hídrico e na maturação de sementes.AlfaceHayat et al. (2012)

Ácido Jasmônico e a Produção de Compostos Secundários nas Plantas

Você sabia que o ácido jasmônico desempenha um papel imprescindível na produção de compostos secundários em plantas? Composições químicas como alcaloides, terpenos e flavonoides são gerados em resposta ao estímulo deste notável hormônio. Esses compostos secundários não apenas destacam a incrível diversidade química das plantas, mas também têm propriedades que beneficiam a saúde humana.

Muitos desses compostos secundários possuem propriedades medicinais potenciais. Algumas plantas medicinais, por exemplo, contam com o auxílio do ácido jasmônico para a produção de compostos secundários com propriedades antioxidantes. Estes compostos ajudam a combater os radicais livres, protegendo nosso corpo contra condições como envelhecimento prematuro e doenças cardíacas. 

O ácido jasmônico pode aumentar a produção de compostos secundários em até 60%

Além disso, o ácido jasmônico também coordena a produção de compostos que agem como uma defesa natural da planta contra predadores e patógenos. Tudo isso faz do ácido jasmônico uma verdadeira maravilha da bioquímica vegetal. 

Para concluir, o ácido jasmônico tem uma participação crucial na bioquímica vegetal ao contribuir para a produção de compostos secundários. Seu papel vai além da simples sobrevivência da planta, ultrapassando para benefícios na saúde dos seres humanos. É uma pequena molécula com um valor inestimável.

Compostos fenólicos mediados pelo Ácido Jasmônico

Os compostos fenólicos que são mediados pelo ácido jasmônico têm um espectro bastante diversificado. Dessa forma , o poder deste hormônio reside na sua capacidade de estimular a síntese destes compostos que possuem propriedades antioxidantes, muitas vezes fortalecendo a resistência das plantas a certos estresses ambientais. Entre eles, podemos citar:

  1. Flavonoides: Esta é uma categoria de compostos fenólicos que compreendem uma variedade substancial de substâncias bioativas nas plantas. Sua produção é aumentada em resposta à stress ambiental e elas possuem propriedades antioxidantes, anticâncer e anti-inflamatórias.
  2. Ácidos fenólicos: Estes compostos têm um papel crucial na defesa das plantas contra patógenos. Eles geralmente aumentam no momento em que a planta é exposta a condições de stress.
  3. Estilbenos: São produzidos pelas plantas em resposta a infecções por patógenos ou a stresses abióticos. Eles têm a capacidade de inibir o crescimento de microorganismos e coronavírus.
  4. Taninos: Estes compostos têm um papel essencial na prevenção da herbivoria. Eles também possuem atividade antimicrobiana.
  5. Ligninas: são polímeros complexos que fortalecem as paredes celulares das plantas e contribuem para a sua resistência contra pragas e doenças. Quando as plantas são atacadas ou lesionadas, o ácido jasmônico auxilia na ativação de mecanismos de defesa, como aumento da produção de ligninas. 

A Importância no Crescimento e Desenvolvimento Vegetal

Sabe-se que o ácido jasmônico desempenha um papel crucial na regulação do crescimento e desenvolvimento das plantas, agindo em múltiplos níveis. Além disso, este notável hormônio vegetal está envolvido no processo de germinação das sementes, dando às plantas o impulso inicial de que necessitam para emergir do solo e começar o processo de crescimento. 

Ademais, o ácido jasmônico também influencia o crescimento das raízes. Em baixas concentrações, este hormônio pode estimular o crescimento e expandir o sistema radicular das plantas, permitindo-lhes absorver mais nutrientes e água do solo. Isso pode melhorar significativamente a saúde e a resiliência das plantas, tornando-as mais capazes de sobreviver em condições adversas. 

Além disso, suas funções vão muito além do apenas crescimento das raízes e sementes. É fascinante como o ácido jasmônico está envolvido na formação de flores e frutos, contribuindo para a reprodução e propagação das espécies vegetais. Dessa forma, é durante a fase de floração e frutificação que as plantas precisam de uma quantidade significativa de recursos e energia, e o ácido jasmônico atua regulando esses processos complexos, garantindo que eles ocorram de maneira eficiente e bem-sucedida. 

Em altas concentrações, o ácido jasmônico pode reduzir o crescimento das plantas em até 50%

No entanto, é importante ressaltar que, embora o ácido jasmônico possa estimular o crescimento em baixas concentrações, ele pode inibir o alongamento celular quando presente em níveis altos. Este é um exemplo de como este hormônio versátil pode ter efeitos diferentes, dependendo da sua concentração e do contexto específico em que se encontra. 

Resumo de ações no desenvolvimento

Processos envolvidosFunção do ácido jasmônico
Germinação de sementesTem papel crucial, influenciando a taxa e eficiência de germinação
Crescimento da raizAjuda na regulação do crescimento das raízes, podendo inibir seu crescimento em altas concentrações
Formação de floresParticipa na regulação da floração, na formação de órgãos florais e no crescimento do tubo polínico
Formação de frutosEstá envolvido na regulação do amadurecimento e desenvolvimento dos frutos

O Papel do Ácido Jasmônico na Senescência das Plantas

Você já deve ter notado que, assim como os seres humanos, as plantas também envelhecem, certo? Este processo de envelhecimento em plantas é conhecido como senescência, um fenômeno natural que é estritamente regulado por diversos fatores, e um deles é nosso protagonista, o ácido jasmônico. 

Portanto, este hormônio vegetal desempenha um papel crucial na modulação da senescência das plantas. O que ocorre é que o acúmulo de ácido jasmônico em determinadas partes da planta, como as folhas, está intimamente relacionado ao processo de envelhecimento dessas regiões. 

Mas como ele exatamente ajuda no envelhecimento? Bom, é aqui que fica interessante. O ácido jasmônico provoca a ativação de um conjunto específico de genes nas plantas. Mas, não são quaisquer genes, são aqueles que estão diretamente envolvidos na degradação de proteínas e da clorofila durante a senescência foliar. Em outras palavras, o ácido jasmônico é uma das chaves que dispara o processo de decomposição, permitindo que a planta se recicle e gere novos tecidos

Porém, não pense que o processo de senescência é algo negativo. Muito pelo contrário. Ele é fundamental para a renovação constante das plantas, contribuindo para sua longevidade e capacidade constante de adaptação e renascimento. 

Recomendação de uso do Áciso Jasmônico 

Você já percebeu o quão cruciais são os papéis desempenhados pelo ácido jasmônico nas plantas, verdade? Desde ajudar as plantas a se recuperarem de danos, protegendo-as contra pragas, regulando seu crescimento e até mesmo na produção de compostos medicinais valiosos. Agora, baseado em todas essas vantagens, você deve estar se perguntando: como podemos usar o ácido jasmônico para otimizar o crescimento e a saúde das plantas? 

A quantidade e a frequência da aplicação podem variar dependendo do tipo de planta e das condições em que estão sendo cultivadas. Mas lembre-se, um excesso de ácido jasmônico pode ser prejudicial, inibindo o crescimento das plantas. Portanto, é importante seguirmos as instruções do pacote e usá-lo com moderação. 

Além disso, é importante notar que o ácido jasmônico é apenas um dos muitos hormônios e compostos que as plantas usam para responder a estresses. O auxílio de um profissional pode ser necessário para entender a melhor maneira de usar esses hormônios para melhorar a saúde das suas plantas. 

Mas em geral, o ácido jasmônico pode ser uma ferramenta importante no seu arsenal como jardineiro, fazendeiro, botânico ou pesquisador. Entender como funciona e como usar pode dar às suas plantas a vantagem que necessitam para prosperar em um ambiente difícil.

Doses concentração e resultados da aplicação de Ácido Jasmônico 

Quando aplicado estrategicamente, o ácido jasmônico pode ajudar as plantas em várias situações de estresse. A dose e a concentração do hormônio usado dependerão do desafio específico que a planta está enfrentando. Por exemplo, em situações de seca ou altas temperaturas, uma concentração mais alta pode ser útil para ativar os mecanismos de defesa das plantas. Em contrapartida, doses mais baixas podem ser usadas para promover o crescimento em condições ideais. 

Concentração de Ácido JasmônicoCulturaAutor
0.5 mMTrigoWasternack et al. (2013)
1.0 mMArrozZhang et al. (2009)
2.0 mMSojaSchaller (2012)
0.75 mMTomateGarcia et al. (2014)
1.25 mMBatataJones & Moller (2007)
1.5 mMArrozLee et al. (2011)

Os benefícios e respostas da aplicação de ácido jasmônico podem variar dependendo da espécie da planta, idade, condições ambientais, entre outros fatores. Algumas plantas, por exemplo, respondem à aplicação de ácido jasmônico com um aumento na produção de compostos secundários, como os fenólicos, que têm propriedades antioxidantes. 

Porém, ao usar o ácido jasmônico, é preciso ter em mente que, embora seja um importante regulador do crescimento e desenvolvimento das plantas, ele também pode ter efeitos inibitórios em níveis mais altos. Portanto, é essencial monitorar de perto as plantas após a aplicação, para garantir que elas estão respondendo bem e não estão sofrendo de toxicidade.

Mas em geral, como sempre, é recomendável buscar o conselho de um especialista em botânica ou agronomia antes de alterar o regime de tratamento de suas plantas. Estes profissionais podem fornecer conselhos práticos e específicos, garantindo que você está tirando o melhor proveito deste poderoso hormônio vegetal.

Referências bibliográficas: 

Miersch, O., & Wasternack, C. (2000). Octadecanoid and jasmonate signaling in tomato (Lycopersicon esculentum Mill.) leaves: endogenous jasmonates do not restrict leaf expansion. Physiologia Plantarum, 110(3), 383-390. 

Schaller, A., & Stintzi, A. (2009). Enzymes in jasmonate biosynthesis – structure, function, regulation. Phytochemistry, 70(13-14), 1532-1538. 

Browse, J. (2009). Jasmonate: Preventing the Maize Tassel from Getting in Touch with His Feminine Side. Science, 323(5914), 569-570. 

Turner, J. G., Ellis, C., & Devoto, A. (2002). The jasmonate signal pathway. Plant Cell, 14, S153-S164. 

Katsir, L., Schilmiller, A. L., Staswick, P. E., He, S. Y., & Howe, G. A. (2008). COI1 is a critical component of a receptor for jasmonate and the bacterial virulence factor coronatine. Proceedings of the National Academy of Sciences, 105(19), 7100-7105. 

Staswick, P. E. (2008). JAZing up jasmonate signaling. Trends in Plant Science, 13(2), 66-71. 

Farmer, E. E. (2007). Surface-to-air signals. Nature, 448, 536-537. 

Howe, G. A. (2004). Jasmonates as Signals in the Wound Response. Journal of Plant Growth Regulation, 23(3), 223-237. 

Li, L., Zhao, Y., McCaig, B. C., Wingerd, B. A., Wang, J., Whalon, M. E., Pichersky, E., & Howe, G. A. (2004). The tomato homolog of CORONATINE-INSENSITIVE1 is required for the maternal control of seed maturation, jasmonate-signaled defense responses, and glandular trichome development. Plant Cell, 16(1), 126-143.

Chini, A., Fonseca, S., Fernández, G., Adie, B., Chico, J. M., Lorenzo, O., García-Casado, G., López-Vidriero, I., Lozano, F. M., Ponce, M. R., Micol, J. L., Solano, R. (2007). The JAZ family of repressors is the missing link in jasmonate signalling. Nature, 448(7154), 666–671. https://doi.org/10.1038/nature06006

Wasternack, C., Hause, B. (2013). Jasmonates: biosynthesis, perception, signal transduction and action in plant stress response, growth and development. An update to the 2007 review in Annals of Botany. Annals of Botany, 111(6), 1021–1058. Https://doi.org/10.1093/aob/mct067

HAYAT, Q. et al. Role of proline under changing environments. Plant Signaling & Behavior, v. 7, n. 11, p. 1456–1466, 2012.

JIANG, Y. et al. Jasmonic acid-signaled defenses suppress anther development in Arabidopsis flowers by altering transcript patterns. Plants, v. 5, n. 2, p. 29, 2016.

KAZAN, K. Alternative splicing and proteome diversity in plants: The tip of the iceberg has just emerged. Trends in Plant Science, v. 11, n. 10, p. 492-498, 2006.

LI, Q. F. et al. Drought tolerance through over-expression of the expansin gene TaEXPB23 in transgenic tobacco. Journal of Plant Physiology, v. 170, n. 1, p. 23–33, 2013.

VAN WEES, S. C. et al. Phenotypic analysis of Arabidopsis mutants: tryptophan-independent biosynthesis of indole-3-acetic acid. Plant Physiology, v. 116, n. 4, p. 1231-1240, 2008.

ZHANG, Y. et al. Crosstalk between plant responses to pathogens and abiotic stress. Biochemical Journal, v. 448, n. 3, p. 403–413, 2010.

GARCIA, M. J.; LUCENA, C.; ROMERA, F. J.; ALARCÓN, M.; RUIZ, J. M. Role of jasmonic acid on defense response of tomato plants against tomato yellow leaf curl virus (TYLCV). Plant Physiol. v. 164, p. 525-539, 2014. 

JONES, J. D.; MOLLER, B. K. Jasmonate signalling towards an integrated view. Plant Cell Monogr. v. 59, p. 1449-1464, 2007. 

LEE, H. I.; LEÓN, J.; RASKIN, I. Biosynthesis and metabolism of salicylic acid. PNAS. v. 92, p. 4076-4079, 2011. 

SCHALLER, A. A cut above the rest: the regulatory function of plant proteases. Planta. v. 235, p. 589-597, 2012. 

WASTERNACK, C.; HUSEBY, S.; HANKELN, T.; KRAMERES, M. Jasmonates: structural requirements for lipid-derived signals active in plant stress responses and development. ACS Chem. Biol. v. 8, p. 246-257, 2013. 

ZHANG, Y.; TESHOME, G.; ZAALI, J. E.; MISHINA, T.; DOBAK, A.; LI, X.; ALFERSEN, M.; GÖBEL, C.; DODD, A.; LACERDA, D.; LAMB, C.; FEUSSNER, I. Jasmonic acid-regulated wheat leaf proteome dynamics under elevated ozone concentration. Plant Cell Environ. v. 32, p. 1104-1120, 2009.

Gostou? Então compartilhe nas redes