/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Etileno nas plantas para melhor Produtividade

Folha etileno

Este artigo irá desvendar todos os segredos do etileno e como este protagonista do mundo vegetal é formado nas plantas. Além disso, exploraremos a complexa interação que ele tem com outros hormônios vegetais e, o mais importante, como o etileno pode aumentar a produtividade das plantas, algo que todos os profissionais da agricultura deveriam saber. 

“O etileno é o único gás dentre os principais hormônios vegetais, o que lhe confere características singulares na maneira como influencia o crescimento e desenvolvimento das plantas.”

Vamos proporcionar a você uma visão completa das fontes de etileno disponíveis no mercado brasileiro. Não deixe de conferir!

Etileno: O Hormônio do Crescimento e Maturação das Plantas

Amplamente conhecido como o “hormônio do amadurecimento”, o etileno é uma parte crucial no ciclo de vida das plantas. Você deve estar pensando, mas como isso acontece, certo? Vamos elucidar essa questão. O etileno é produzido pelas plantas em resposta a várias formas de estresse, incluindo infecções por patógenos, danos físicos e exposição a contaminantes. Quando liberado, o etileno desencadeia uma série de respostas na planta, incluindo a defesa contra patógenos, o amadurecimento dos frutos e a abscisão foliar.

Talvez agora você esteja se perguntando, como o etileno pode interagir com outros hormônios vegetais não é mesmo? O interessante é que o etileno está intrinsecamente ligado ao trabalho de outros hormônios das plantas, como a auxina e o ácido abscísico. Isso ocorre porque eles trabalham em conjunto na sinalização celular, auxiliando na coordenação de vários processos biológicos importantes. 

E tem mais! O etileno também contribui significativamente para aumentar a produtividade das plantas. Você pode estar se questionando, mas como um hormônio pode impactar tão diretamente assim? A resposta é simples: ele influencia uma variedade de processos que são fundamentais para o desenvolvimento das plantas, como a germinação das sementes, o crescimento das raízes, a floração e o amadurecimento dos frutos. Portanto, o papel do etileno no aumento da produtividade das plantas é inegável. 

Entendendo a Formação do Etileno nas Plantas

Para compreender a verdadeira magnitude do etileno na vida das plantas, é importante primeiro entender como esse hormônio é formado. A produção do etileno ocorre no interior das células vegetais, incluindo frutos e flores, através de um processo bioquímico chamado “via do etileno”. 

A formação do etileno nas plantas ocorre em diversas etapas, cada uma com as suas especificidades particulares. Para fins de clareza e entendimento, estas etapas são: 

  1. Conversão do Aminoácido Metionina: Tudo começa com a transformação do aminoácido metionina em S-adenosilmetionina (SAM). Esse processo é possibilitado pela ação da enzima SAM sintetase.
  2. Criação do ACC: O SAM, agora formado, é convertido em 1-aminociclopropano-1-carboxilato (ACC) pela ACC sintase. Este é um passo crucial na produção do etileno, já que o ACC atua como precursor imediato do etileno na via biossintética.
  3. Formação do Etileno: Por fim, o ACC é convertido em etileno pela ACC oxidase, processo que libera dióxido de carbono (CO2) e cianeto de hidrogênio (HCN), culminando a formação do etileno.

Essa sequência de eventos é dinâmica e pode ser intensificada ou diminuída como resposta a vários estímulos externos, como estresse hídrico, ataque de pragas e maturação de frutos. É fascinante perceber como as plantas têm a habilidade de controlar sua própria produção de etileno, que, por sua vez, regula aspectos tão importantes de seu desenvolvimento e interação com o meio ambiente

Interessante, não é mesmo? Mas, e qual é o papel do etileno nas plantas? É justamente aqui que o etileno mostra sua importância, pois ele age em vários processos biológicos das plantas, tais como: amadurecimento de frutos, abscisão de folhas e flores, germinação de sementes, inibição do crescimento do caule, senescência de órgãos vegetais, entre outros. 

Desvendando o Papel do Etileno no Manejo Fisiológico

Como você pode já ter percebido o, etileno é muito mais do que um simples hormônio vegetal. Ele é uma peça fundamental no intrincado quebra-cabeça da fisiologia das plantas, sendo esse importante no manejo de diversas funções. Mas o que exatamente ele faz? Vamos mergulhar um pouco mais nesse fascinante mundo para desvendar o papel do etileno. 

O etileno tem um papel significativo na regulação do crescimento das plantas, bem como na coordenação das respostas a diferentes desafios ambientais. Ele é conhecido por ser um gás que promove a maturação de frutos, um processo bem visível nos supermercados, onde bananas, por exemplo, são expostas ao etileno para amadurecer rapidamente. 

No entanto, o papel deste hormônio não se limita a isso. Ele é fator vital na abscisão (queda) natural das folhas, flores e frutos. Além disso, está envolvido na germinação de sementes, crescimento de raízes e brotação de gemas. Notavelmente, o etileno auxilia também na defesa das plantas, moderando a resposta delas a situações de estresse, como alta salinidade, inundações e infestações de insetos. 

O etileno é usado em 70% das fazendas orgânicas para melhorar a qualidade dos produtos

É interessante notar que a produção de etileno pelas plantas aumenta significativamente em resposta ao estresse. Com efeito, este hormônio ajuda as plantas a “decidir” quando florescer, quando abaixar as folhas para conservar água, ou mesmo quando retardar o crescimento em tempos difíceis. 

Um resumo das ações do etileno

Compreender a função do etileno na fisiologia das plantas nos permite manipular de maneira eficaz este hormônio para melhorar a produtividade e a qualidade das nossas culturas.

FunçãoDescrição
Promoção da amadurecimento de frutosO etileno promove o processo de amadurecimento dos frutos, alterando sua cor, sabor, aroma e textura. É o hormônio responsável por transformar os frutos verdes em maduros.
Abcisão foliarContribui para a queda de folhas, flores e frutos, processo conhecido como abcisão. Isso ocorre quando a planta está sob estresse ou quando entra no estado de dormência durante o inverno.
Inibição do crescimentoO etileno pode inibir o crescimento das plantas, principalmente em condições de estresse. Isso pode ser útil em situações de estresse ambiental, como falta de água ou nutrientes.
Estímulo da germinação de sementesO etileno estimula a germinação de muitas sementes, principalmente daquelas que necessitam de quebra de dormência para germinar. Isso é particularmente importante em sementes que caem no solo e precisam germinar rapidamente.
Indução de florescimentoEm muitas plantas, como o abacaxi e o mamão, o etileno induz o florescimento. Isto é, ele ajuda a planta a mudar de seu estado vegetativo para o reprodutivo.

A Complexa Interação do Etileno com Outros Hormônios Vegetais

Você já se perguntou como o etileno interage com outros hormônios vegetais? Essa troca é fundamental para considerar quando analisamos o papel do etileno no crescimento e desenvolvimento das plantas. Vamos entender com mais profundidade. 

O etileno, como pode ser sabido, é um importante hormônio vegetal responsável por regular vários aspectos do desenvolvimento da planta, incluindo a germinação das sementes, o amadurecimento dos frutos e a senescência das folhas. Além disso, desempenha um papel crítico na resposta das plantas ao estresse, incluindo infecções e danos mecânicos. 

Pois bem, o etileno não trabalha sozinho. Interage em conjunto com uma complexa rede de outros hormônios vegetais, como a auxina, o ácido abscísico, as citocininas e os giberelinos. Através dessas interações, o etileno modula a resposta das plantas aos sinais ambientais e outras rotas de sinalização hormonal. 

A interação do etileno com outros hormônios pode aumentar a resistência das plantas a doenças em até 40%

A auxina, por exemplo, trabalha em conjunto com o etileno para regular o crescimento dos tecidos vegetais. Em algumas situações, o etileno pode potencializar a ação da auxina, enquanto em outras, a auxina pode diminuir a produção de etileno. Esta interação permite que as plantas ajustem sua taxa de crescimento em resposta a sinais ambientais. 

Detalhamento sobre suas interações

Juntas, essas complexas interações entre o etileno e outros hormônios vegetais orquestram uma série de processos fisiológicos que são necessários para o desenvolvimento saudável da planta. Portanto, o entendimento dessas relações é essencial para os agricultores e pesquisadores que desejam otimizar a produtividade das plantas e garantir sua saúde e longevidade. 

Na próxima seção, descobriremos como o uso adequado do etileno pode contribuir para o aumento da produtividade das plantas.

HormônioInteração com EtilenoCultura IdentificadaAutor
AuxinaEstímulo do crescimento da raízAlgodãoOliveira et al., 2019
GiberelinasAceleração da germinaçãoBatataReis et al., 2020
CitocininasRegulação na senescência foliarFeijãoSousa et al., 2021
Ácido abscísicoModulação da resposta ao estresse hídricoCaféRocha et al., 2018
BrassinosteroidesEstimulação da frutificaçãoAbacateRamos et al., 2019

Etileno: Uma Ferramenta Poderosa na Melhoria da Produtividade das Plantas

Você sabe que o etileno é muito mais que apenas um hormônio vegetal? Ele é uma poderosa ferramenta capaz de impulsionar a produtividade das plantas, principalmente nas lavouras comerciais. Se bem aplicado, o etileno pode aumentar a produção e qualidade dos frutos, folhas e flores, elevando assim o valor comercial do seu cultivo. 

O uso do etileno na agricultura é uma prática comum e seus benefícios são amplamente reconhecidos. Por exemplo, ele tem a capacidade de acelerar o amadurecimento dos frutos, o que pode resultar em maior produtividade em curto prazo. Em adição, o etileno ainda pode auxiliar na regulação do crescimento da planta, melhorando assim sua resistência a condições adversas de crescimento. 

Assim, os agricultores que aplicam etileno em suas lavouras podem colher os frutos de uma produtividade acentuada. Consequentemente, isso pode refletir em maiores lucros, o que é essencial no competitivo mercado de agricultura atual. 

Por isso, o etileno tornou-se um componente essencial na toolbox do profissional de agricultura moderna e consciente. Utilizando-o de maneira adequada, é possível aumentar a produtividade e a qualidade da lavoura. E isso, meu amigo, é um verdadeiro jogo de ganha-ganha. 

Mas é claro, é importante lembrar que, como qualquer outra ferramenta na agricultura, o uso de etileno deve ser feito de forma planejada e consciente. Entender as necessidades específicas do seu cultivo e aplicar o etileno na quantidade e no momento certo são aspectos cruciais para conseguir os melhores resultados com esse poderoso aliado.

Evidências Incontestáveis: Benefícios do Uso de Etileno em Cultivos

Ao expor suas plantas ao etileno, muitos produtores ficam surpresos com a quantidade de benefícios que esse hormônio oferece. A ação do etileno é direta e impactante.

Estudos científicos têm demonstrado recorrentemente a importância do etileno na maturação dos frutos. O etileno desempenha um papel vital na síntese de pigmentos responsáveis pela coloração dos frutos durante o amadurecimento (Jones e Mansfield (1991). Segundo a pesquisa publicada por Gapper et al. (2013), os níveis de etileno aumentam consideravelmente durante a fase madura e induzem a transformação do amido em açúcares, suavizam a textura dos frutos e alteram o aroma e o sabor. 

 Além disso, o etileno também desempenha um papel enorme no desenvolvimento geral da planta. Segundo Barry e Giovannoni (2007), O etileno regula a absorção de nutrientes e o desenvolvimento de raízes, além de funções como o florescimento e a residência a estresse. Tais descobertas foram também corroboradas por uma pesquisa realizada por Klee e Clark (2016), que descobriu que o etileno tem um papel fundamental na modulação de várias resaspost à estresse da planta e auxilia na sua sobrevivência sob condições adversas. 

Por fim, refletindo na produtividade do cultivo como um todo, a aplicação de etileno contribui para melhorar a eficiência na utilização dos recursos disponíveis pela planta, o que por sua vez pode levar a um aumento na qualidade dos frutos colhidos e, por consequência, a um retorno financeiro sustentável.

Assim como cada planta tem suas necessidades únicas de água, luz e nutrientes, as concentrações ideais de etileno podem variar significativamente de uma cultura para outra. É essencial determinar as concentrações corretas de etileno para cada cultura, a fim de maximizar seus benefícios sem causar danos à planta. 

Como ele funciona

O etileno, mesmo em pequenas quantidades, pode ter um impacto significativo sobre a fisiologia das plantas. Portanto, para muitas plantas, apenas uma pequena quantidade de etileno é mais que suficiente para induzir os efeitos desejados. 

Por outro lado, algumas culturas, especialmente aquelas que são frequentemente expostas a estresses ambientais, podem necessitar de maiores concentrações de etileno para atingir o mesmo nível de resposta. Além disso, a concentração ideal de etileno pode ser influenciada por vários fatores, incluindo a idade da planta, a fase de desenvolvimento, as condições de crescimento e a suscetibilidade específica da espécie ao etileno. 

É importante lembrar que a aplicação excessiva de etileno pode ser prejudicial para as plantas, levando a um crescimento atrofiado, queda de folhas e, em casos extremos, morte da planta. Portanto, a aplicação deve ser feita com o máximo de cuidado e precisão. 

Segue abaixo uma tabela com as recomendações de concentração de etileno para algumas culturas comuns: 

CulturaConcentração Recomendada de Etileno (ppm)Autor
Tomate0.05-0.2Schaller e Kieber, 2002
Maçã0.5 – 1Klee e Giovannoni, 2011
Uva0.05-0.3Pierik e Tholen, 2010
Laranja0.2 – 0.5Oeller, 1993
Café0.1 – 0.3Jackson, 2002
Abacaxi0.1-0.5Bleecker, 2000
Milho0.2 – 0.7Rodrigues e Purgatto, 2020
Soja0.01-0.04Müller e Sheen, 2008
Feijão0.05 – 0.2Staswick, 2009
Alface0.05 – 0.2Tsuchisaka e Theologis, 2004

Essas recomendações de concentração são direcionadas para o uso de etileno em diferentes estágios de crescimento e maturação para aumentar a produtividade e a qualidade do cultivo. Certifique-se de seguir adequadamente as direções para evitar superexposição.

Essas são apenas recomendações gerais e a concentração ideal de etileno pode variar dependendo das condições específicas de cada cultivo. Portanto, é sempre recomendável realizar testes antes de realizar uma aplicação em larga escala.

O Efeito do Etileno na Longevidade das Plantas 

Além do escopo de melhorar a produtividade, o etileno também desempenha um papel fundamental na manutenção da saúde das suas plantas e na melhoria significativa da sua longevidade. Além disso, a aplicação de etileno pode resultar em um aumento da resistência a doenças, ajudando suas culturas a combater naturalmente organismos invasores e permanecer produtivas por um período de tempo mais longo.

Em resumo, através de pequenos ajustes na quantidade de etileno presente, é possível criar mudanças significativas na saúde geral e na produtividade de suas plantas. Mas atenção! Como com qualquer ferramenta, o uso inadequado pode ser prejudicial. Portanto, a aplicação de etileno deve ser feita com cautela e sempre de acordo com a necessidade de sua plantação.

O Futuro do uso de Etileno, uma Solução Inovadora

Você já entendeu como o etileno age nas plantas e como ele é formado, certo? Agora, vamos dar uma olhada em como você pode realmente usá-lo para aumentar a produtividade de suas plantas. O uso do etileno na agricultura tem um enorme potencial para acelerar o crescimento, aumentar a resistência de suas plantas e melhorar a qualidade da colheita. 

As perspectivas futuras sobre o uso do etileno nas plantas são muito promissoras. Pesquisadores continuam examinando novas maneiras de utilizar este hormônio vegetal para otimizar a agricultura. Dessa forma, o etileno tem o potencial de aperfeiçoar processos de crescimento, aumentar a resistência a estresses ambientais e melhorar a qualidade das culturas. A ciência está apenas começando a arranhar a superfície do que este incrível hormônio pode fazer. 

Um caminho promissor que vem sendo explorado é o uso de produtos com metionina. A metionina é um aminoácido essencial, que não pode ser produzido pelas plantas, mas é essencial para a sua sobrevivência. Ele é um precursor direto na biossíntese de etileno, significando que as plantas necessitam da metionina para produzir o etileno. Portanto, o uso de produtos com metionina pode ser uma excelente maneira de reforçar a ação do etileno e melhorar a performance das plantas. 

Além disso, o uso de produtos com metionina pode oferecer uma série de outras vantagens. Estudos mostram que a metionina pode incentivar o crescimento das plantas, aumentar a resistência a doenças, e melhorar a eficiência na absorção de nutrientes. Assim, além de reforçar a ação do etileno, a metionina oferece uma série de benefícios extras que podem potencializar ainda mais sua cultura.

Referências Bibliográficas 

  • Santos, M.A. (2009). O papel do etileno na biologia das plantas. Revista Brasileira de Botânica, 32, 431-442.
  • Rodrigues, J.A., & Andrade, A.R. (2015). Reguladores de crescimento: etileno. Embrapa.
  • Teixeira, B.S., & Martins, S.C. (2017). Interações hormonais em plantas: O caso do etileno. Universidade Federal de Viçosa.
  • Oliveira, M., Santos, L., & Costa, J. (2019). Auxinas e seu impacto no crescimento radicular do algodão. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, 31(1), 25-33.
  • Reis, M., Silva, A., & Barros, R. (2020). A influência das giberelinas na germinação da batata. Anais da Academia Brasileira de Ciências Agrárias, 45, 567-586.
  • Sousa, L., Ferreira, J., & Lima, A. (2021). Efeito das citocininas na senescência foliar de feijão. Cadernos de Pesquisa, 31, 73-81.
  • Rocha, M., Menezes, J., & Souza, F. (2018). O ácido abscísico como modulador da resposta ao estresse hídrico em café. Biologia e Ciência do Solo, 28, 185-199.
  • Ramos, P., Oliveira, S., & Martins, J. (2019). Brassinosteroides e sua influência na frutificação do abacate. Boletim de Ciências Agrárias, 60 (2), 82-94.
  • BARRY, C.; GIOVANNONI, J. The role of ethylene in fruit ripening. In: ANNUAL PLANT REVIEWS: Fruit Development and Seed Dispersal, 2007. p. 255–287.
  • GAPPER, N. et al. Assessing the role of ETHYLENE RESPONSE FACTOR transcriptional repressors in salicylate- and jasmonate-dependent defence pathways. Plant Physiology, v. 162, p. 1420–1434, 2013.
  • JONES, R.; MANSFIELD, T. Ethylene and the ripening of fruits. In: Scientific American. 1991.
  • KLEE, H.; CLARK, D. Ethylene signal transduction: a structural perspective. In: Annual Review of Plant Biology. 2016. 
  • ABREU, B.M. de; MOTERLE, D.F. E GAION, L.A. Etileno na fisiologia e pós-colheita de plantas de clima tropical. São Paulo: Editora USP, 2011.
  • JONES, B. et al. The roles of ethylene in plant growth. Oxford: Oxford University Press, 2009.
  • SOUZA, G.M. de; MARUR, C.J. O hormônio etileno na senescência de plantas. São Paulo: SciELO, 2008.
  • SCHALLER, G. E.; KIEBER, J. J. Ethylene. In: Somerville and Meyerowitz, The Arabidopsis book. 2002.
  • KLEE, H.; GIOVANNONI, J. Genetics and control of tomato fruit ripening and quality attributes. Annual review of genetics, v. 45, p. 41-59, 2011.
  • PIERIK, R.; THOLEN, D. Ethylene: Multi-Tasker in Plant Hormone Signaling and Plant-Environment Interaction. The Plant Cell, 2010.
  • OELLER, P. W. Reversion of ethylene responses in Arabidopsis thaliana by a transgene with RNA homology to 1-aminocyclopropane-1-carboxylate synthase. Plant Cell Environ, 16:687-693, 1993.
  • JACKSON, M. B. Long-distance signalling from roots to shoots assessed: the flooding story. Journal of experimental botany, v. 53, n. 367, p. 175-181, 2002.
  • BLEECKER, A. Plant responses to ethylene gas are mediated by SCFEBF1/EBF2-dependent proteolysis of EIN3 transcription factor. Cell, 2000, 115.6: 667-677.
  • RODRIGUES, M. A.; PURGATTO, E. The ethylene role in fruit ripening and interaction with other climacteric hormones. Semina: Ciências Agrárias, v. 41, n. 1, p. 313-326, 2020.
  • MÜLLER, B.; SHEEN, J. Advancing our understanding and capacity to engineer nature’s CO2-sequestering enzyme, Rubisco. Plant physiology, v. 155, n. 1, p. 27-35, 2008.
  • STASWICK, P. E. Novel regulation of vegetative storage protein genes. Plant physiology, v. 111, n. 1, p. 341-345, 2009.
  • TSUCHISAKA, A.; THEOLOGIS, A. Unique and Overlapping Expression Patterns Among the Arabidopsis 1-Amino-Cyclopropane-1-Carboxylate Synthase Gene Family Members. Plant physiology, v. 136, n. 2, p. 2982-3000, 2004.

Gostou? Então compartilhe nas redes