/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Fosfitos. Mitigando Perdas e Maximizando Ganhos

fosfitos na agricultura

Hoje, nosso foco são os fosfitos, um aliado importante no campo, que vem ganhando cada vez mais relevância devido à seu papel na planta e seus usos mais valiosos.

“O conhecimento é a ferramenta mais poderosa que podemos usar para melhorar nossos rendimentos agrícolas”.

Dirceu Gassem

Mas antes de prosseguir, vamos enfatizar que o uso de fosfitos não é isento de desafios. Sem um gerenciamento adequado, pode ocorrer perdas significativas em sua lavoura.

No entanto, não se preocupe! Falaremos também sobre como compensar possíveis perdas de produtividade e o papel de extrato de algas e aminoácidos para equilibrar qualquer perda metabólica decorrente da aplicação de fosfitos.

Entendendo os Fosfitos: Uma Visão Geral

Para aprofundar nossa discussão sobre fosfitos, é importante entender que esses compostos resultam de uma reação química chamada neutralização, onde ácido fosforoso (H3PO3) interage com uma base. Isso faz com que o essencial fosfato seja substituído por hidrogênio, criando assim a forma reduzida e diferenciada de fosfato, que chamamos de fosfito. 

Os fosfitos são utilizados em mais de 70% das lavouras de frutas e vegetais no Brasil

Apesar de estruturalmente diferentes, fosfitos possuem uma funcionalidade crucial nas operações agrícolas. Eles agem como mecanismos de defesa e proteção nas plantas contra diversos patógenos, ativando naturalmente o sistema de defesa da própria planta. Para entender melhor, vamos visualizar fosfitos como uma espécie de cenário de prontidão constante, preparando as plantas para se defenderem contra infecções e pragas. 

No entanto, vale a pena recordar que, assim como qualquer outra substância ou recurso químico utilizado na agricultura, os fosfitos não estão isentos de provocar alguns efeitos secundários. Apesar de sua capacidade de ativar mecanismos de defesa nas plantas, conhecida e valorizada, eles também podem gerar desequilíbrios metabólicos que afetam a produção e alteram a fisiologia das plantas  

A aplicação de fosfitos pode aumentar a resistência das plantas a doenças em até 60%

É importante não nos esquecermos de que, tal como qualquer outro recurso químico utilizado na agricultura, os fosfitos também têm potencial para causar alguns efeitos secundários. Por mais eficazes que sejam na ativação de mecanismos de defesa nas plantas, os fosfitos também podem gerar desequilíbrios metabólicos que interferem na produção e alteram a fisiologia das plantas.

Aplicações Práticas dos Fosfitos na Agricultura

Fosfitos, que são comumente utilizados na agricultura como fungicidas, herbicidas, fertilizantes e bioestimulantes, demonstraram ter um com o estudo de Pereira et al . 2010, a aplicação de fosfitos nas videiras mostrou ser uma estratégia bem-sucedida, proporcionando uma proteção aprimorada das videiras contra doenças, mais notavelmente o míldio com alto grau de eficácia.

Para visualização mais detalhada do uso de fosfitos na agricultura, preparamos a fungicidas, herbicidas, fertilizantes e bioestimulantes.

UsoCulturaAutor
Indução de resistência a doençasTomateGmez, M.F.C.
Estimulação do crescimento radicalAlfaceNeave, R.F.2016
Melhoria da eficiência de absorção de nutrientesSojaTrejo, T.L.I.2015
Prevenção de estresse salinoTrigoINTAGRI.2017
Controle do míldio da sojaSojaPereira et al. (2010)
Redução da podridão-pardaPessegueiroMoreira e May-de Mio (2009)
Combate à mancha-de-phomaCafeeiroNojosa et al. (2009)
Controle da podridão-do-pó do mamoeiroMamoeiroDianese et al. (2009)
Diminuição da área foliar necrosadaMacieiraAraújo Valdebenito-Sanhueza e Stadnik (2010)
Efeito herbicida em plantas invasorasCorda-de-viola, capim-marmelada e caruruLópezArredondo e HerreraEstrella (2012)

Os Efeitos Colaterais: Perdas Potenciais com o Uso de Fosfitos

Você pode se perguntar: com todos esses benefícios, existem alguma perdas com o uso de fosfitos? A resposta é sim. Além disso, os fosfitos podem causar alguns efeitos adversos quando mal aplicados como a maioria dos produtos químicos utilizados na  agricultura utilizados em excesso.

O uso desenfreado de fosfitos pode desencadear um ciclo vicioso de dependência na planta, podem suprimir os sintomas de doenças, dando a impressão de que a doença foi completamente erradicada.

No entanto, um sistema imunológico constantemente estimulado pode induzir ao estresse, causando na planta dependência do produto. 

Portanto, é nesse contexto que se destacam os efeitos tóxicos do fosfito quando usado excessivamente. O fosfito pode causar danos irreversíveis às culturas sensíveis, resultando em perdas significativas de produtividade. Esses danos incluem escurecimento de folhas, perda de vigor e até morte das plantas em casos extremos. 

Apesar de suas desvantagens potenciais, os agricultores ainda podem aproveitar ao máximo o fosfito seguindo práticas de manejo apropriadas. Este protocolo envolve o uso correto do produto, levando em consideração fatores como a idade da planta, as condições do solo e o estágio de infestação da doença. 

Fosfitos, perdas metabólica e diminuição da produtividade.

Os fosfitos, ao serem introduzidos nas plantas, ativam o chamado metabolismo secundário. Esse processo contribui para a indução da resistência, pois desencadeia a produção de enzimas e compostos de autodefesa. Todavia, a ativação desta função metabólica pode dar origem a algumas perdas metabólicas nas plantas. 

Colocando de modo prático, o metabolismo secundário potencializado pela introdução do fosfito pode resultar em diminuição do crescimento vegetativo dace porque a energia que antes era direcionada ao crescimento agora está focada em reforçar a resistência da planta contra patógenos. Dessa forma, a planta atinge um estado de estresse metabólico, em que há excesso de atividade na defesa e pouca energia para a produção, resultando em perda de produtividade. planta. 

Perdas metabólicas e efeitos nas plantas

Note-se que a perda da produtividade não é uma certeza absoluta, mas sim uma possibilidade que aumenta com a quantidade  frequência do uso de fosfitos. Portanto, é crucial encontrar o equilíbrio certo na quantidade e  aplicação desses compostos em suas plantas, garantindo que eles desempenhem sua função de induzir resistência, mas também permitindo que a planta continue fornecendo um nível da mesma.

Perdas MetabólicasEfeito na Planta
Redução da fotossínteseDiminuição na produção de alimento para a planta, podendo levar à diminuição do crescimento e produtividade.
Inibição da absorção de nutrientes essenciaisPode levar a deficiências nutricionais, afetando a saúde da planta e potencialmente a sua produtividade.
Interferência na translocação de substâncias pelo floemaDificulta o transporte de nutrientes e água, o que pode afetar adversamente a saúde e o desenvolvimento da planta.
Indução de estresse oxidativoPode causar danos às células da planta, afetando a sua integridade e funcionalidade.
Alterações na biossíntese de proteínasSendo as proteínas fundamentais para diversas funções vitais, tais distúrbios podem afectar o crescimento, desenvolvimento e produtividade das plantas.
Disrupção do equilíbrio ácido-básicoA alteração deste equilíbrio pode afectar o metabolismo e a funcionalidade da planta, conduzindo a uma diminuição da produção.
Inibição da síntese de clorofilaComo a clorofila é fundamental para a fotossíntese, a sua inibição pode levar a uma diminuição da eficiência deste processo, diminuindo a produtividade da planta.
Interferência nos processos de respiração celularA interrupção do processo de respiração celular pode afetar o fornecimento de energia para a planta, prejudicando seu crescimento e produtividade.

Mitigando o Impacto: Como Compensar a Perda de Produtividade

Considerando os efeitos potenciais do uso de fosfitos, pode aí surgir a questão: “Como vamos mitigar qualquer perda de produtividade causada pelo uso de fosfitos?”. Uma resposta promissora está no uso de extrato de algas e aminoácidos. Esses componentes naturais podem auxiliar as plantas a superar o estresse causado pelo uso de fosfitos, compensando quaisquer perdas metabólicas resultantes deste uso. 

O uso de fosfitos pode reduzir a produtividade das culturas em até 10% se não for devidamente compensado

O extrato de algas, por exemplo, é conhecido por estimular o crescimento das plantas e melhorar seu vigor. Elas agem como bioestimulantes, melhorando a absorção de nutrientes e protegendo as plantas contra o estresse biótico e abiótico. Este material, quando aplicado em conjunto com os fosfitos, pode minimizar os efeitos negativos destes nas plantas, enquanto também promove um crescimento saudável e produtivo.  

Compostos mitigadores

Por outro lado, os aminoácidos desempenham papel chave em muitas funções biológicas das plantas. Atuam como blocos de construção para proteínas, ajudam a fornecer energia metabólica e desempenham funções cruciais no ciclo de vida das plantas. Assim, o fornecimento adicional de aminoácidos em combinação com fosfitos pode ajudar a compensar quaisquer perdas metabólicas.

CompostosAções Para Mitigar Efeitos Metabólicos do Fosfito
AminoácidosOs aminoácidos desempenham um papel crucial nos processos metabólicos das plantas. Eles podem diminuir a toxicidade do fosfito, fortalecer a resistência das plantas a doenças e melhorar a absorção e utilização de nutrientes.doi 10.3389fmicb.2021.631318
Extrato de AlgasO extrato de algas é um bioestimulante natural com uma variedade de nutrientes, aminoácidos e hormônios vegetais. Dentre seus diversos benefícios, ele pode aliviar a toxidade do fosfito, melhorar a tolerância ao estresse e promover a saúde geral da planta.INTAGRI.2017
Outros CompostosCompostos como o ácido húmico, ácido fúlvico, microbiota do solo, entre outros, podem ser utilizados em conjunto para ajudar a minimizar os efeitos metabólicos adversos do fosfito. Eles contribuem para melhorar a saúde do solo, a resistência ao estresse e a absorção de nutrientes pela planta.Wu et al., 2019

O Equilíbrio entre o Uso de Fosfitos e a Manutenção da Produtividade

Equilibrar o uso de fosfitos com a manutenção da produtividade agrícola é uma tarefa complexa. Fosfitos, sejam eles aplicados como fungicidas, fertilizantes ou bioestimulantes, têm apresentado em diversas pesquisas capacidade para melhorar a realizar um monitoramento constante das  identificar o melhor momento e a dose correta para aplicação dos fosfitos, minimizando-se assim os efeitos indesejáveis.

Além disso, é importante ressaltar que, embora os fosfitos sejam competentes em inibir o crescimento micelial e  esporulação de oomicetos e, ainda mais, induzem a produção de enzimas e compostos de autodefesa nas plantas, eles também podem influenciar negativamente o metabolismo das plantas.

A combinação de fosfitos com extratos de algas e aminoácidos pode aumentar a produtividade das culturas em até 30%

Essa influência negativa pode se refletir em perdas significativas na produtividade das plantas. Equilibrar o uso dos fosfitos para aproveitar seus benefícios, enquanto mitiga seus possíveis efeitos colaterais, é fundamental para a saúde e produtividade das culturas. 

Recomendações

Entenda, antes de mais nada, que os fosfitos, amplamente utilizados em nossas lavouras, têm um papel crucial no aumento do rendimento das plantas, melhorando sua resistência a doenças. No entanto, como qualquer outro produto químico usado na agricultura, é necessário equilibrar seu uso para evitar possíveis perdas metabólicas que possam comprometer a saúde e produtividade do cultivo. Vamos listar algumas etapas importantes para alcançar este equilíbrio:

  1. Identificação correta das necessidades das plantas: antes de qualquer aplicação, é vital entender as necessidades individuais de suas plantas. Nem todas as culturas exigem o mesmo nível de fosfitos. A identificação correta permitirá que você aplique a dose certa.
  2. Aplicação apropriada: a aplicação de fosfitos deve ser feita adequadamente. O excesso de aplicação não apenas gasta recursos desnecessários, como também pode levar a perdas metabólicas.
  3. Uso de extrato de algas e aminoácidos: o extrato de algas e aminoácidos podem ajudar a compensar perdas metabólicas resultantes da aplicação de fosfitos. Esses compostos podem preencher quaisquer lacunas nutricionais deixadas pelos fosfitos e apoiar as funções metabólicas básicas das plantas.

Referências Bibliográficas

  1. PEREIRA, A. S. et al. Aplicações de fosfitos nas brotações das videiras resultaram em maior proteção das videiras contra o míldio. Revista Brasileira de Viticultura, Rio Grande do Sul, v.10, n.3, p.21-28, 2010.
  2. NOJOSA, G. B. A. et al. Reduções na severidade da mancha-de-phoma em cafeeiro em plantas tratadas com fosfito. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v.35, n.2, p.276-282, 2009.
  3. PERUCH, L. A. M.; BRUNNA, F. Reduções de 94% e 76% na AACPD e na incidência de míldio no cacho, respectivamente: efeito do fosfito de potássio. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v.33, n.4, p.420-424, 2008.
  4. LÓPEZ-ARREDONDO, D.; HERRERA-ESTRELLA L. Fosfito: uma arma dupla contra plantas daninhas. PNAS, Washington, v.109, n.23, p. 8925-30, 2012.
  5. DATNOFF, L. E. et al. Silicon in Agriculture: Studies in Plant Science. Elsevier, Amsterdã, v.8, 2001.
  6. OLIVEIRA, R. D. L. Efeitos de fosfitos na intensidade da podridão-parda em pessegueiro. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v.31, n.3, p.287-292, 2006.
  7. LOPES, C. A.; QUEZADO-DUVAL, A. M. Doenças do tomateiro. Embrapa Hortaliças, v.45, 2007.
  8. POWELL, C.; LINDERMAN, R. Interaction of Trichoderma harzianum and phosphorous acid on the control of grapevine root rot. Plant Disease, Saint Paul, v.75, n.3, p.306-309, 1991.
  9. KATZ, V. A.; LINDERMANN, R. G.; MISAGHI, I. Time of phosphonate application in relation to zoospore release of Phytophthora spp. and disease development. Plant Disease, Saint Paul, v.8, n.7, p.769-771, 1989.
  10. RIBEIRO, R. L. D.; HAUERS, F. E. Eficácia de fosfitos de potássio e cálcio no controle da requeima em batata-semente. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v.29, n.2, p.140-152, 2004. 

Gostou? Então compartilhe nas redes