/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Nanotecnologia na Fisiologia das Plantas

nanotecnologia

Na fronteira da ciência, uma nova perspectiva fascinante se abre – a da nanobiologia. Você já parou para pensar nas infinitas possibilidades que essa área tem a oferecer? Imagine poder manipular a fisiologia das plantas em um nível tão minúsculo, que está além da capacidade de nossos olhos perceberem. Pois bem, é isso que a nanobiologia propõe. E com foco específico na área de botânica, iremos explorar como as nanopartículas podem influenciar na fisiologia das plantas neste artigo. 

Os avanços na ciência frequentemente parecem saídos de um filme de ficção científica. Mas, na verdade, eles são o resultado de anos de estudo e pesquisa minuciosa. E de uma coisa podemos ter certeza: Os achados no campo da nanobiologia têm o potencial de revolucionar a agricultura como conhecemos e influenciar de maneira positiva a segurança alimentar em todo o mundo.

Antes de mergulharmos nessa intrigante jornada, tenha em mente que a nanobiologia é um campo extenso e complexo. Além disso, por esse motivo, iremos apresentar a você as informações de uma maneira estruturada e clara, abordando diferentes tópicos ao longo do texto. Portanto, fique conosco e prepare-se para descobrir um universo incrível e cheio de possibilidades!

Nanobiologia: Conceitos e Aplicações

Para entendermos de forma mais aprofundada a nanobiologia, é preciso primeiro que tenhamos uma definição clara sobre o que é essa ciência. A nanobiologia é um ramo da ciência que combina nanotecnologia e biologia, abrangendo estudos e aplicações em escala nanométrica no campo da biologia.

 A manipulação e compreensão do comportamento dos materiais neste nível minúsculo podem levar a avanços significativos em várias áreas, incluindo medicina, agricultura e ciências do ambiente. Além disso, a nanotecnologia permite a criação de materiais e dispositivos em escala extremamente pequena, até mesmo molecular. Isso significa que podemos criar ferramentas incrivelmente pequenas e precisas para interagir com sistemas biológicos, como células de plantas. 

Já a biologia fornece o conhecimento necessário para a aplicação efetiva da nanotecnologia na resolução de problemas reais. Portanto, a nanobiologia é a união perfeita entre esses dois campos, trazendo imensas possibilidades para a ciência. 

No entanto, encontramos as nanopartículas, que são estruturas inferiores a 100 nanômetros. Para comparação, um fio de cabelo humano tem cerca de 80.000 nanômetros de largura. Imagine milhares de pequenas partículas, menores que a largura de um fio de cabelo, trabalhando para alterar processos complexos em nosso corpo ou nas plantas; essa é a realidade surpreendente da nanobiologia. 

Além disso, os avanços nesta área têm potencial para transformar a medicina, criando tratamentos mais eficazes e menos invasivos. No campo da agricultura, as descobertas da nanobiologia podem levar a plantas mais saudáveis e resistentes, produzindo alimentos mais nutritivos e sustentáveis. 

7 pontos sobre nanotecnologia

  • 1. A nanotecnologia estuda e mexe com materiais muito pequenininhos, quase do tamanho de átomos e moléculas. No entanto, nesse tamanho, eles podem se comportar de forma diferente e apresentar características que não vemos quando são maiores.
  • 2. A nanotecnologia permite a manipulação da matéria em níveis muito pequenos, molecular e atômico. Isso possibilita criar máquinas minúsculas, que trabalham com mais eficiência do que as grandes.
  • 3. A nanotecnologia tem diversos usos. Na medicina, ela ajuda a entregar remédios, fazer terapia genética e diagnosticar doenças. Na eletrônica, cria computadores melhores e mais eficientes. E na agricultura, melhora a saúde das plantas
  • 4. Na agricultura, a nanotecnologia ajuda na entrega precisa de nutrientes e pesticidas. Isso melhora a forma como usamos os recursos e diminui o impacto na natureza.
  • 5. As nanopartículas, com ao menos uma medida menor que 100 nanômetros, são bastante utilizadas na nanotecnologia. Quando aplicadas no solo, essas partículas são capazes de entregar nutrientes diretamente nas raízes das plantas, otimizando sua nutrição e evitando desperdícios.
  • 6. O uso da nanotecnologia na fisiologia das plantas é uma área de pesquisa nova. Estamos estudando como as nanopartículas afetam a fotossíntese, a absorção de nutrientes
  • 7. O uso da nanotecnologia pode tornar as plantações mais ecológicas. Por exemplo, conseguimos criar proteções feitas com nanotecnologia que impedem as plantas de perder muita água. Além disso, nanopartículas podem melhorar a forma como as plantas transformam luz do sol em energia. Ambas as estratégias são essenciais para a sobrevivência das plantas em situações difíceis.

Doadores em nanotecnologia

O termo “doador” é frequentemente usado para se referir a substâncias que podem transferir partículas para outra substância. No contexto da nanotecnologia, um “doador” é geralmente uma substância que é encapsulada dentro de uma nanopartícula, pronta para ser liberada sob as condições certas. 

O interessante é que esse processo de doação é bem preciso. Quando aplicado nas plantas, por exemplo, essas nanopartículas carregadas entram nas células das plantas através de um processo chamado endocitose. Uma vez dentro da célula, o doador encapsulado é liberado e começa a exercer seu papel no metabolismo da planta, como pode ser a liberação de nutrientes, mediando respostas a condições estressantes, ou até mesmo influenciando os mecanismos de crescimento e desenvolvimento da planta

Além disso, esta é uma das grandes promessas dos estudos com nanopartículas: possibilitar uma entrega direcionada e controlada de compostos essenciais. Mais do que apenas um pacote nanoscópico, esses “doadores” encapsulados podem representar uma poderosa ferramenta nas mãos dos pesquisadores e profissionais que buscam maneiras mais sustentáveis e eficientes de melhorar o desempenho das culturas e lidar com os desafios ambientais.

Doadores de Óxido nítrico 

Você deve estar se perguntando, quais são esses doadores mencionados como SNAC, GSNO, MSA e SNP? Esses são nomes de compostos que atuam como doadores de óxido nítrico. Permita-me explicar. 

O SNAC, ou S-Nitroso-N-acetil-D-penicilamina, é um doador não-tóxico de óxido nítrico usado principalmente em aplicações biológicas. Este composto é capaz de liberar óxido nítrico em ambientes biológicos, promovendo a resposta das plantas a diferentes condições de estresse. 

A sigla GSNO representa S-Nitrosoglutationa, um doador de óxido nítrico bioativo. Este doador é capaz de promover alterações em proteínas que resultam em mudanças na fisiologia das plantas. 

Da mesma forma, o MSA, ou Metil Salicilato, é um doador que libera óxido nítrico quando degradado, enquanto o SNP, ou Nitroprussiato de sódio, é um composto inorgânico que age de maneira semelhante, liberando óxido nítrico quando exposto a luz ou em presença de agentes redutores. Ambos são amplamente utilizados em pesquisas devido à seus efeitos regulatórios no crescimento e desenvolvimento das plantas. 

Um resumo dos doadores em nanotecnologia

Cada um desses doadores tem um papel único e vital na regulação das respostas biológicas das plantas ao estresse, sendo elementos essenciais no campo da nanobiologia para o desenvolvimento de lavouras mais produtivas.

DoadoresO que eles doamFonte da Informação
SNACDoa óxido nítrico, importante regulador do crescimento e desenvolvimento das plantas.Science Direct
GSNODoa óxido nítrico, auxilia no controle do stress oxidativo em plantas.American Chemical Society
MSADoa óxido nítrico, contribui para a regulação da tolerância das plantas ao sal.Springer Link
SNPDoa óxido nítrico, auxilia na bioestimulação da produção de plantas.Wiley Online Library
NanoNDoa nutrientes, aumentando a absorção dos mesmos pelas plantas.Science Direct

A Relação Entre Nanopartículas e Fisiologia das Plantas

As plantas têm a capacidade de absorver a nanopartícula carregada com os nutrientes de forma eficiente através do processo de endocitose. Mas como realmente isso funciona e quais são as implicações? 

Vamos aprofundar um pouco. 

Em um nível fundamental, as nanopartículas funcionam como veículos de entrega ultra eficientes. Elas podem ser programadas para carregar uma gama específica de nutrientes e, em seguida, são absorvidas pelas plantas. Ao contrário dos métodos tradicionais de nutrição vegetal, onde uma grande quantidade de nutrientes é perdida no solo, as nanopartículas garantem que praticamente todos os nutrientes sejam absorvidos pelas plantas. Isso se traduz em uma saúde vegetal significativamente melhorada e maior produtividade. 

Nanopartículas de óxido de zinco aumentam a taxa de germinação de sementes em até 25%.

No entanto, as nanopartículas não apenas entregam nutrientes às plantas. Elas também têm o potencial de fornecer compostos bioativos, como doadores de óxido nítrico. O óxido nítrico é uma molécula que regula o crescimento e desenvolvimento de todas as plantas. Por exemplo, uma pesquisa recente realizada pelo Instituto Agronômico (IAC-APTA) analisou a aplicação foliar de doadores encapsulados de óxido nítrico na cultura de cana-de-açúcar, apresentando resultados promissores. 

Resultados aprofundados com nanobiologia

O campo da nanobiologia, especialmente a sua aplicação na agricultura, está a desenvolver-se a um ritmo acelerado. No entanto, a pesquisa especializada tem se focado em compreender o impacto das nanopartículas na fisiologia das plantas. Nesta seção da nossa análise, vamos destacar uma pesquisa em particular que revelou algumas descobertas notáveis. 

Nanopartículas de dióxido de titânio podem aumentar a fotossíntese em até 30%.

Em um projeto liderado por pesquisadores destacados, incluindo Paula Joyce Carrenho Prataviera, Rafael Vasconcelos Ribeiro, Amedea Barozzi Seabra, Joana Claudio Pieretti e Rafael Leonardo de Almeida, foram estudados os efeitos de doadores de óxido nítrico na saúde e crescimento de plantas. Os quatro doadores estudados foram SNAC, GSNO, MSA e SNP. Destes, SNAC e SNP foram encapsulados em nanopartículas de quitosana para uso em plantas. 

A escolha desses doadores de óxido nítrico foi feita com o objetivo de investigar a influência direta dessas substâncias no crescimento e desenvolvimento das plantas. O estudo abrangeu um período de um ano e meio, de julho de 2019 a dezembro de 2020. 

Os resultados deste estudo foram publicados na conceituada revista científica Environmental and Experimental Botany, um testemunho da qualidade e relevância deste trabalho para o campo da nanobiologia. 

E quanto aos resultados? As descobertas foram animadoras. A aplicação dos doadores de óxido nítrico encapsulados em nanopartículas de quitosana mostrou efeitos positivos consideráveis em plantas como o Solanum lycopersicum e o Chenopodium quinoa. Observou-se uma otimização da absorção de nutrientes em ambas as plantas, uma descoberta que tem implicações animadoras para o futuro da agricultura sustentável

Os Efeitos das Nanopartículas na Absorção de Nutrientes

As nanopartículas têm um papel significativo na otimização da absorção de nutrientes por plantas, fenômeno que pode revolucionar práticas agrícolas. Em particular, o NanoN se destaca por aumentar notavelmente a absorção de nutrientes vegetais. Em um processo denominado endocitose, as plantas conseguem absorver nanopartículas carregadas com os nutrientes necessários para seu crescimento e desenvolvimento. 

Este mecanismo permite uma entrega mais eficiente e direcionada de nutrientes. Diferentemente dos métodos tradicionais de adubação, as nanopartículas podem ser projetadas para liberar seus nutrientes de forma controlada e no local exato onde a planta mais precisa deles, reduzindo o desperdício e aumentando a eficácia do fornecimento de nutrientes

Além disso, o NanoN tem a vantagem de ser um material estável em todas as condições ambientais, e pode permanecer em solução por anos sem alterar suas características ou gerar problemas como salga, sedimentação, inchamento ou incompatibilidades. 

Nanopartículas de óxido de zinco aumentam a taxa de germinação de sementes em até 25%.

Portanto, a utilização de nanopartículas na agricultura tem surpreendido positivamente não só pela melhora na absorção de nutrientes pelas plantas, mas também pela sua estabilidade e viabilidade a longo prazo.

De forma geral, a nanobiologia está mostrando um caminho promissor para práticas agrícolas mais eficientes e sustentáveis, com benefícios significativos tanto para os produtores quanto para o meio ambiente.

5 Efeitos das nanoparticulas na absorção de nutrientes

1. Incremento na absorção: As nanopartículas, têm demonstrado seu potencial para aumentar a absorção de nutrientes pelas plantas. Ao encapsular os nutrientes necessários em minúsculos pacotes, o processo de absorção se torna mais eficiente e direcionado. 

2. Nutrição personalizada: A utilização de nanopartículas permite um controle preciso sobre que nutrientes as plantas estão recebendo. Isso significa que pesquisadores podem projetar soluções de nanopartículas personalizadas para atender às necessidades específicas de cada tipo de planta. 

3. Use da endocitose: As plantas absorvem nanopartículas carregadas com nutrientes por meio do processo natural chamado endocitose. Isso significa que a planta consegue apanhar essas partículas e incorporar os nutrientes diretamente em suas células. 

4. Estabilidade ambiental: Informações indicam que permaneçam estáveis em todas as condições ambientais por anos. Essa estabilidade aumenta a eficácia do fornecimento de nutrientes, já que as nanopartículas podem sobreviver no solo por longos períodos. 

5. Compatibilidade com co-formulados: Outra vantagem das nanopartículas é que elas não alteram as características dos co-formulados, como ocorre com segurança, sedimentação, inchaço ou incompatibilidades. Isso significa que é possível misturar nanopartículas com outros materiais a serem adicionados às plantas, sem prejudicar a eficácia geral da aplicação.

Nanotecnologia e resistência a doenças

As nanopartículas podem ser projetadas para imitar os compostos naturais de defesa das plantas. Quando algumas plantas são atacadas por patógenos, elas produzem compostos chamados fitoalexinas que reagem contra os invasores.

Pesquisadores descobriram que eles podem encapsular estes compostos em nanopartículas, que podem ser direcionadas para atacar seletivamente patógenos específicos. Isso significa que a terapia com nanopartículas pode ser usada para melhorar a resistência das plantas a doenças, sem a necessidade do uso excessivo de pesticidas químicos. 

Nanopartículas de ouro podem aumentar a resistência das plantas a doenças em até 40%.

Além disso, as nanopartículas podem também ser utilizadas para entregar antígenos que podem ajudar a imunizar as plantas contra doenças específicas. Esta é uma estratégia promissora que tem o potencial de revolucionar a agricultura e garantir a segurança alimentar futura. 

Está claro que a nanotecnologia tem um papel importante na agricultura, especialmente quando se trata de combater as doenças das plantas. O Instituto Agronômico (IAC-APTA) realizou uma pesquisa significativa na cultura da cana-de-açúcar, centrada na aplicação de doadores de óxido nítrico encapsulados. Esta prática mostrou-se promissora na promoção de respostas fisiológicas e bioquímicas benéficas durante períodos de estresse hídrico, como a recuperação da seca .

Em conclusão, a nanotecnologia na agricultura representa uma nova fronteira para o controle de doenças de plantas. Isso poderá não somente aumentar a produtividade do setor agrícola, mas também contribuirà  para uma agricultura mais sustentável e amigável ao meio ambiente. Entretanto, é essencial continuar a realização de pesquisas aprofundadas para garantir a segurança e eficácia de tais tecnologias.

A Segurança das Nanopartículas: Impactos Ambientais e na Saúde Humana

A segurança das nanopartículas é um ponto crítico que não podemos ignorar. Enquanto exploramos os benefícios, precisamos também estar cientes dos possíveis efeitos adversos que podem surgir ao interagir com nosso ambiente e o corpo humano. 

NanoN é um exemplo de nanopartícula que tem provado ser estável em todas as condições ambientais e tem demonstrado segurança em solução durante anos. Isso é uma notícia promissora, mas é importante lembrar que este é apenas um exemplo. Nem todas as nanopartículas são iguais e algumas podem apresentar riscos. 

Existem preocupações, por exemplo, sobre o papel potencial das nanopartículas na toxicidade em organismos vivos e no meio ambiente. Ainda estamos compreendendo como as nanopartículas interagem com diferentes espécies e ecossistemas, bem como a dinâmica do seu destino e transporte nas cadeias alimentares. 

Além disso, no corpo humano, as nanopartículas podem interagir com células, proteínas e DNA de maneiras que ainda não entendemos completamente. É crucial que continuemos as pesquisas para entender completamente os efeitos das nanopartículas na saúde humana e no meio ambiente. 

Em suma, a nanobiologia, incluindo a utilização de nanopartículas nas ciências vegetais, possui um enorme potencial. Porém, é essencial que estejamos conscientes e atentos às possíveis complicações. O equilíbrio criterioso entre benefícios e possíveis riscos nos ajudará a explorar o domínio da nanobiologia de maneira segura e eficaz.

O Futuro da Nanobiologia na Agricultura

A aplicação prática da nanobiologia na agricultura ainda está sendo explorada, e estamos caminhando para um futuro extremamente promissor. Para se ter uma ideia de seu potencial, experimentos recentes já demonstraram que o uso de nanopartículas pode resultar em um aumento expressivo na absorção de nutrientes pelas plantas, como mostrado pelo produto NanoN. Este é um alerta de que a nanobiologia é mais do que uma moda passageira; é uma realidade tangível que está mudando os paradigmas da ciência e da tecnologia agrícola

Além disso, um estudo realizado pelo Instituto Agronômico (IAC-APTA) analisou os impactos da aplicação foliar de doadores encapsulados de óxido nítrico na cultura de cana-de-açúcar. As descobertas dessa pesquisa, liderada pela pesquisadora Neidiquele Maria Silveira, abriram caminhos que estão sendo trilhados para aperfeiçoar essas técnicas e torná-las mais eficazes. 

“As plantas absorvem a nanopartícula carregada com os nutrientes por meio da endocitose.” Não só isso, mas as nanopartículas podem ser projetadas para liberar os nutrientes lentamente, garantindo que as plantas têm um suprimento constante para otimizar seu crescimento e saúde.”

Entretanto, mesmo com todas essas vantagens, ainda se sabe pouco sobre como esses doadores vão responder em condições reais de cultivo. Por isso, a pesquisadora acredita que serão necessárias mais pesquisas para aprofundar nosso entendimento e garantir que o uso da nanobiologia na agricultura seja seguro e eficaz. Só então poderemos aproveitar ao máximo esta tecnologia fascinante e disruptiva.

Conclusão

Em suma, os avanços na nanobiologia e a aplicação de nanopartículas oferecem perspectivas emocionantes para o futuro da agricultura e da fisiologia das plantas. A pesquisa revelada neste artigo revelou os potenciais impactos positivos que as nanopartículas podem ter na mitigação dos efeitos negativos do estresse hídrico nas plantas, além de aumentar a eficiência na absorção de nutrientes e na resistência a doenças. 

No entanto, é importante notar que esta é uma área ainda em desenvolvimento e há mais a ser desvendado. A segurança dos nanomateriais em relação aos impactos ambientais e à saúde humana é de suma importância e a pesquisa nesse campo deve continuar para garantir uma implementação segura e eficaz da nanotecnologia no campo agrícola. 

Gostou? Então compartilhe nas redes