/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Produtos bioestimulantes não possuem um modo de ação

folhas de soja e bioestimulantes

Quando falamos em produtividade e sanidade vegetal, não podemos ignorar os produtos de ação fisiológica bioestimulante. Estes são produtos que afetam diretamente os processos fisiológicos das plantas, como crescimento, desenvolvimento, metabolismo e resposta aos estresses ambientais. Composta por substâncias bioativas, sua ação se dá nos mecanismos internos das plantas, exercendo um papel crucial em sua vida e desenvolvimento1.

Os bioestimulantes atuam como potenciadores de diversas funções vegetais. Compostos por hormônios vegetais, extratos de algas, enzimas, carboidratos, polióis, nutrientes, aminoácidos e vitaminas, eles modulam o crescimento, melhoram a qualidade, aumentam a resistência e eficiência na utilização de nutrientes, além de regular a floração, frutificação e maturação das plantas2.

Porém, é importante frisar que os mecanismos de ação desses produtos são amplos e variam de acordo com diversos fatores – sua composição, dose, modo de aplicação, tipo de cultura, fase de desenvolvimento da planta e até as condições ambientais exercem influência no seu funcionamento. Eles podem interagir de maneiras diferentes, tendo efeitos sinérgicos, aditivos ou até mesmo antagônicos uns com os outros ou com outros produtos utilizados3

Diferentemente dos pesticidas químicos ou produtos hormonais sintéticos, que têm uma ação altamente específica e um processo metabólico minuciosamente identificado, os produtos bioestimulantes de ação fisiológica em plantas apresentam um modo de uso que pode ser interpretado de maneira bastante complexa ou, por vezes, excessivamente simplificado. O resultado disso é que muitas vezes acarretam mais desconfiança e confusão do que proporcionam confiabilidade e precisão.

Com a orientação adequada, compreender os produtos de ação fisiológica em plantas é algo simples. Estes produtos, recheados com nutrientes, hormônios e substâncias bioativas, desempenham um papel crucial no crescimento das plantas. Quando bem utilizados, aumentam a produtividade das colheitas e tornam as plantas mais resistentes aos estresses ambientais. O segredo está em como aplicá-los corretamente. 

Os Múltiplos Mecanismos de Ação dos Produtos Fisiológicos em Plantas

Você já sabe que os produtos fisiológicos bioestimulantes em plantas não trabalham de maneira única. Eles podem atuar em diferentes vias metabólicas, hormonais, enzimáticas e genéticas, dependendo de fatores como sua composição, a dose aplicada, o modo de aplicação, o estágio de desenvolvimento da planta e as condições ambientais. 

Em média, o uso de bioestimulantes pode aumentar a produtividade das culturas em 10-20%

Então vamos aprofundar um pouco mais nesse mecanismo diversificado. Imagina só a quantidade incrível de possíveis combinações! Isso permite que um único produto seja capaz de desempenhar várias funções e oferecer benefícios múltiplos às plantas. 

O Timming Perfeito dos Bioestimulantes

O bioestimulante certo pode desencadear a resposta fisiológica que sua planta necessita em momentos críticos. Eles podem impulsionar o crescimento durante a fase vegetativa, melhorar a qualidade e resistência durante o desenvolvimento, promover a floração e frutificação, aumentar a eficiência de uso dos nutrientes e ajudar na regulação do crescimento e maturação da planta. 

Nutrientes: Essenciais para a Vida das Plantas 

Os nutrientes desempenham um papel substancial na saúde das plantas. Nada menos que nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, ferro, zinco, só para citar alguns, são vitais para as plantas. Eles podem ser fornecidos ao solo ou às folhas das plantas por meio de fertilizantes minerais ou orgânicos. No cenário ideal, o solo fornece a maior parte ou todos os nutrientes necessários. No entanto, às vezes, a adição externa desses nutrientes se faz necessária para otimizar a nutrição das plantas. 

Produtos Químicos Defensivos 

Os produtos químicos defensivos têm como missão controlar ou eliminar organismos vivos considerados nocivos às plantas. Esse grupo inclui inseticidas, fungicidas, acaricidas, nematicidas, bactericidas, viricidas e herbicidas. Interessante notar que, embora chamados de “defensivos”, esses produtos podem ser tanto sintéticos quanto naturais.

Entendendo a Atuação dos Produtos bioestimulantes nas Vias Metabólicas, Hormonais, Enzimáticas e Genéticas das Plantas

A ação dos produtos fisiológicos nas plantas é complexa e multifacetada. Os benefícios desses produtos nas vias metabólicas, hormonais, enzimáticas e genéticas das plantas dependem de uma série de fatores. Considere usar a abordagem correta e no tempo certo para obter o máximo proveito desses produtos. 

O segredo está na combinação. Produtos fitofisiológicos podem conter uma combinação de várias substâncias bioativas, cada uma com seu próprio mecanismo de ação. Algumas substâncias, por exemplo, podem aumentar a capacidade das plantas de absorver e utilizar nutrientes, enquanto outras podem desencadear processos específicos de crescimento e desenvolvimento. 

A indústria de bioestimulantes está projetada para atingir US$ 4,14 bilhões até 2025

Quando esses produtos são aplicados corretamente e da maneira apropriada, podem ter efeitos sinérgicos, adicionado um valor incrível à saúde da planta, à sua qualidade e ao rendimento final da safra. Eles também podem estimular as atividades das enzimas, regular o metabolismo das plantas, desencadear reações hormonais e até mesmo influenciar a expressão genética das plantas. 

No entanto, é importante lembrar que a resposta das plantas a produtos fisiológicos pode variar. Fatores como condições climáticas, estágio de desenvolvimento das plantas e práticas agrícolas podem influenciar o efeito de bioestimulantes e nutrientes. 

Vamos agora explorar alguns desses conceitos em detalhes para entender completamente como os produtos fisiológicos atuam nas plantas, desde a via metabólica até a genética, passando pela ação hormonal e enzimática.

Dissipando a Complexidade: A Ação Multifacetada dos Produtos Bioestimulantes Fisiológicos nas Plantas

Ao falar sobre produtos fisiológicos, precisamos entender que estes compostos não possuem uma única maneira de agir. A estratégia deles se baseia na influência de diversas vias – metabólica, hormonal, enzimática e genética – e nesta interação complexa e articulada que é a essência da vida das plantas. 

Cada componente de um bioestimulante ou nutriente tem uma função, mas o que realmente faz a diferença é o modo como eles atuam juntos, em sinergia. Seja na ativação de genes, no estímulo da fotossíntese ou no fortalecimento do sistema de defesa da planta, cada elemento desempenha um papel e contribui para o resultado final. 

Na via metabólica, por exemplo, os nutrientes participam como facilitadores e cofatores de diversas reações químicas essenciais à vida da planta. Já na via hormonal, os bioestimulantes atuam estimulando ou inibindo a produção de hormônios vegetais, que são os grandes reguladores do crescimento e desenvolvimento das plantas. 

Enquanto isso, no âmbito enzimático, os produtos fisiológicos podem incentivar a atividade de enzimas que aceleram reações químicas dentro da planta. E, finalmente, no domínio genético, os bioestimulantes podem ativar genes responsáveis pelas respostas da planta a diferentes estresses ambientais e até mesmo influenciar no tempo de maturação e na qualidade do produto final

Atuação de compostos bioativos

BioestimulanteComposto BioativoMecanismo de Atuação
Gibberellins (Gibberelinas)GA3Promove aprendizado e tempo de resposta do sistema imunológico.
Auxins (Auxinas)IAAEstimula o crescimento celular e o alongamento de células e tecidos.
Cytokinins (Citocininas)KinetinPromove a divisão celular e a brotação de gemas laterais.
Amino Acids (Aminoácidos)GlicinaFavorece a síntese de proteínas e melhora a absorção de nutrientes.
Vitamins (Vitaminas)Vitamina B1Auxilia no metabolismo dos carboidratos e na respiração das plantas.
Ác. SalicílicoÁcido SalicílicoEstimula a resistência das plantas ao estresse e melhora a eficiência de utilização de nutrientes.
Ácido AscórbicoVitamina CAumenta a resistência das plantas ao estresse oxidativo, promove o crescimento e desenvolvimento das plantas.
Deyvid Bueno – pesquisa on line

Por fim, é fundamental lembrar que o impacto e a eficácia de cada produto fisiológico podem variar dependendo da cultura, do estágio de desenvolvimento da planta e das condições ambientais. Portanto, sempre será importante considerar todos esses fatores ao escolher e aplicar esses produtos.

Como Classificar os Defensivos Quanto ao Seu Mecanismo de Ação

Produtos de bioestimulantes de ação fisiológica não possuem um mecanismo de ação único, pois eles atuam em diferentes vias metabólicas, hormonais, enzimáticas e genética das plantas .

 Isso significa que a eficácia desses produtos pode variar consideravelmente dependendo de uma série de fatores. Por exemplo, a composição específica dos produtos, a dose e o método de aplicação, o estágio de desenvolvimento da planta na qual eles são aplicados e até mesmo as condições ambientais podem ter um grande impacto nos resultados finais. 

A questão que quero trazer a luz, não é necessariamente o que cada produto pode fazer, mas sim como ele pode atuar no metabolismo vegetal, que por vezes é confundido. 

Um fungicida tem uma rota bem clara de atuação, o mesmo com um herbicida , que atuam em um mecanismo metabólico específico. Isso não ocorre em produtos bioestimulantes.

Tipo de ProdutoPrincípio AtivoMecanismo de Ação
Herbicida (Pesticida)GlyphosateInibe a enzima EPSPS, impedindo a síntese de aminoácidos essenciais nas plantas daninhas.
FungicidaClorotalonilInibe a respiração das células fúngicas, prejudicando a energia necessária para o crescimento e reprodução.
InseticidaImidaclopridAtua como um neurotóxico, interferindo na transmissão de sinais nos nervos do inseto.
AcaricidaAbamectinaInterfere no sistema nervoso de ácaros e insetos, resultando em paralisia e morte.
NematicidaCarbofuramInibe a acetilcolinesterase nos nematoides, elevando os níveis de acetilcolina e causando uma hiperativação do sistema nervoso.
BactericidaEstreptomicinaInibe a síntese de proteínas nas bactérias, interrompendo o crescimento e a reprodução.
Deyvid Bueno – pesquisa on line

Como os Defensivos Interferem no Metabolismo das Plantas

Os defensivos, sejam eles sintéticos ou naturais, desempenham um papel crucial no controle de organismos que prejudicam as plantas. Mas você já se perguntou como esses produtos químicos interferem no metabolismo das plantas? 

De fato, os defensivos têm um mecanismo de ação específico que interfere diretamente no metabolismo ou na estrutura do organismo-alvo. Contudo, é importante salientar que a forma como o defensivo age depende de seu princípio ativo – a substância que é responsável por sua ação tóxica sobre o organismo nocivo. 

Por exemplo, consideremos os herbicidas. Muitos deles têm como alvo a fotossíntese de plantas daninhas, interrompendo esse processo vital e, consequentemente, causando a morte da planta. Outros herbicidas podem afetar a divisão celular, impedindo que as ervas daninhas cresçam e se espalhem. 

Similarmente, inseticidas e fungicidas possuem mecanismos de ação distintos para eliminar insetos e fungos, respectivamente. De maneira geral, esses produtos interferem na capacidade do organismo-alvo de realizar funções básicas, levando à sua inibição ou morte. 

No entanto, é fundamental lembrar que, enquanto esses defensivos são eficazes no controle de organismos nocivos, eles devem ser usados ​​com cautela e responsabilidade para minimizar os efeitos potencialmente prejudiciais ao meio ambiente e à saúde humana.

Decifrando o Impacto dos Compostos Bioativos dos Bioestimulantes nas Plantas

Os compostos bioativos presentes nos bioestimulantes têm um impacto significativo nas plantas, mas sua ação depende de uma série de fatores. De uma forma geral, eles estimulam processos fisiológicos que melhoram o desempenho das plantas, auxiliando tanto no crescimento quanto na resistência a estresses ambientais. 

Os hormônios vegetais, ou seus equivalentes hormonais, presentes nos bioestimulantes, por exemplo, atuam diretamente no controle do desenvolvimento das plantas. Eles podem induzir a queda de folhas, a floração, a frutificação, entre outros processos. Já os extratos de algas são ricos em diversos compostos que promovem o crescimento, como o auxílio na produção de clorofila e o fortalecimento das raízes. 

Enzimas, aminoácidos e vitaminas também são elementos muito presentes nos bioestimulantes e têm funções importantes. Eles podem ajudar a planta a realizar suas funções metabólicas básicas, melhoram a absorção de nutrientes e auxiliam na resistência a estresses ambientais. Os aminoácidos, por exemplo, são essenciais na formação de proteínas e na estrutura de enzimas que regulam o crescimento e desenvolvimento das plantas. 

No entanto, vale lembrar que a efetividade dos bioestimulantes também depende da dose e da forma como são aplicados, do estágio de desenvolvimento da planta e, claro, das condições ambientais. Por isso, é sempre importante procurar orientação técnica para garantir que os bioestimulantes sejam utilizados da melhor maneira possível e tragam benefícios reais para suas plantas.

Escolhendo Produtos Agrícolas: Priorizando Benefícios em vez de Compostos Isolados

Na hora de escolher os produtos agrícolas corretos para o seu cultivo, vale a pena considerar os benefícios gerais. Priorize os produtos que fornecem um amplo espectro de vantagens em vez de focar nos que oferecem apenas um composto isolado. Lembre-se, a sua cultura precisa de uma diversidade de nutrientes e bioestimulantes para prosperar. 

Nutrientes e bioestimulantes trabalham juntos para fornecer os elementos necessários que as plantas precisam para o seu desenvolvimento. Nutrientes como nitrogênio, fósforo e potássio são cruciais para o crescimento geral da planta, enquanto os bioestimulantes, que incluem hormônios vegetais, extratos de algas, enzimas e uma variedade de outros compostos, desempenham papéis vitais em variados estágios do ciclo de vida da planta. Eles podem melhorar a qualidade e a resistência das plantas, estimular a floração e a frutificação, entre outros. 

Outro ponto a ser considerado é a questão dos possíveis efeitos sinérgicos, aditivos ou antagônicos. Alguns compostos podem interagir entre si de maneira a potencializar, somar ou até mesmo inibir suas ações. Por isso, é importante investigar e entender a interação desses compostos para garantir o melhor resultado.

Por fim, é sempre útil manter-se atualizado sobre os novos desenvolvimentos científicos e tecnológicos no campo da agricultura. O entendimento das vias metabólicas, hormonais, enzimáticas e genéticas em plantas está em constante evolução, e o uso estratégico de produtos fisiológicos pode trazer muitos benefícios para o seu cultivo.

Mas lembre-se, o recurso mais valioso em qualquer operação agrícola é o próprio agricultor. Seu conhecimento, experiência e dedicação ao cuidado com suas plantas é o que realmente fará a diferença. Com a escolha correta de produtos agrícolas e um manejo eficiente, você pode garantir uma produção saudável e rentável.

Sinergia entre Compostos: Como os Ingredientes dos Produtos Fisiológicos Trabalham em Conjunto

É fascinante como as plantas respondem aos bioestimulantes e nutrientes. Estes complexos de elementos bioativos trabalham em conjunto para otimizar a saúde e o desempenho das plantas. Eles atuam simultaneamente em várias vias fisiológicas dentro das plantas, criando um efeito sinérgico. Mas o que significa isso realmente? 

Trata-se da interação de vários compostos que resulta em um efeito total maior do que a soma dos efeitos individuais. Dito de outra forma, quando os bioestimulantes e nutrientes são aplicados em conjunto, eles conseguem mais raramente do que se fossem aplicados individualmente. Isso ocorre porque suas ações no organismo das plantas se reforçam mutuamente. 

Por exemplo, um bioestimulante pode aumentar a absorção de nutrientes pelas plantas enquanto os nutrientes, por sua vez, podem aumentar a eficácia dos hormônios vegetais presentes no bioestimulante. Juntos, eles promovem o crescimento das plantas, melhoram a resistência a estresses ambientais e aumentam a eficiência de uso de nutrientes. 

Sinergia de compostos bioestimulantes

A sinergia entre os compostos também pode ocorrer entre os defensivos e os produtos fisiológicos. Os defensivos podem reduzir a população de organismos nocivos, enquanto os bioestimulantes e nutrientes podem fortalecer as defesas naturais das plantas, tornando-as menos suscetíveis aos organismos nocivos. Desse modo, eles formam uma estratégia integrada para proteção das plantas

ProdutoIngredientes PrincipaisEfeitos na PlantaCombinação com Outros Produtos
NutrientesNitrogênio, Fósforo, Potássio, etc.Essenciais para o crescimento e desenvolvimento vegetal.Podem ser combinados com bioestimulantes para melhor absorção e uso dos nutrientes.
BioestimulantesHormônios vegetais, extratos de algas, enzimas, etc.Potencializam o crescimento, qualidade e resistência das plantas.Podem ser combinados com nutrientes e outros produtos para melhor eficácia.
DefensivosDiversos compostos, dependendo do publico-alvo (insetos, fungos, etc.).Protegem as plantas de organismos prejudiciais.Podem ser aplicados em conjunto com bioestimulantes e nutrientes, desde que respeitados os intervalos de aplicação.
Deyvid Bueno

Portanto, ao escolher os produtos para suas plantas, é importante considerar não apenas a ação individual de cada produto, mas também seus efeitos combinados. É essa combinação que pode verdadeiramente potencializar o crescimento e a resistência das suas plantas.

Conclusão

A compreensão dos produtos bioestimulantes de ação fisiológica em plantas permitem identificar a importância desses componentes no desempenho agrícola. Nutrientes, bioestimulantes e defensivos possuem funções específicas e inter-relacionadas para melhorar a saúde e a produtividade das plantas, do crescimento ao desenvolvimento, da proteção contra estressores ambientais à resposta a eles. 

A manipulação estratégica desses insumos, seja de maneira singular ou em combinação, pode otimizar o uso de recursos, melhorar a eficiência agrícola e promover a sustentabilidade do ambiente de cultivo. Dessa forma, o papel dos produtos de ação fisiológica é crucial na exploração do potencial das plantas e na realização de práticas de cultivo responsáveis e eficientes. 

Por fim, é necessário reconhecer que cada planta, cultura e ambiente de cultivo são únicos e influenciam a eficácia desses produtos. Portanto, entender as necessidades específicas da planta e as melhores práticas de uso dos produtos de ação fisiológica em plantas, é fundamental para garantir a prosperidade das culturas agrícolas a curto e longo prazo.

Você considerou a vasta extensão de produtos fisiológicos que podem beneficiar suas plantas. De nutrientes essenciais a bioestimulantes, cada produto tem seu papel único no crescimento e desenvolvimento das plantas. Não se esqueça que, ao escolher produtos para suas plantas, é importante priorizar os benefícios integrais ao invés de focar apenas em um único composto.

Referências

COSTA, L.C. et. al. Bioestimulantes na agricultura: tipos e ações fisiológicas. Embrapa Agrosilvipastoril, 2019. 

SANTOS, M.G, et. al. Nutrição mineral de plantas. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2006. 

SILVA F.C, et. al. Manual de análise química de solos, plantas e fertilizantes. Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 

GOMES F.T, et. al. Mecanismos de ação de bioestimulantes vegetais no metabolismo e na expressão génica de vitiviníferas. Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, 2018. 

FURTADO, G.L. O uso de defensivos agrícolas na agricultura brasileira: perspectivas e desafios. Ciência & Tecnologia, 2017. 

Gostou? Então compartilhe nas redes