/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Reguladores naturais de crescimento vegetal

regulador de crescimento das plantas

Já se perguntou sobre a incrível capacidade das plantas de brotar através do concreto e se esticar em busca do sol? Neste fascinante mundo verde, os verdadeiros protagonistas, muitas vezes esquecidos, são os reguladores de crescimento vegetal naturais. Esses compostos químicos vitais, que incluem esteróis vegetais, polifenois, fitocromos, carotenóides e oxylipinas, constituem a verdadeira essência da vida para as plantas.

Então, vamos embarcar juntos em uma jornada de descoberta. Vamos explorar este universo botânico e desvendar os segredos desses agentes naturais que moldam a vida vegetal. Durante essa exploração, vamos entender como esses compostos contribuem para a força surpreendente das plantas e como eles podem ser aplicados para melhorar a saúde e o crescimento das plantas em ambientes desafiadores. Prepare-se para ser surpreendido pelo poder e a complexidade da natureza.

Esteróis Vegetais: A Fundação do Crescimento Celular

Os esteróis vegetais são fundamentais para a estrutura e função das membranas celulares das plantas. Como tijolos em uma parede, esses compostos mantêm as células vegetais robustas e saudáveis, permitindo que elas cresçam e se multipliquem corretamente. Além disso, os esteróis vegetais são elementos chave na produção de hormônios vegetais, como o ácido abscísico.

A Importância dos Reguladores de Crescimento Vegetal na Agricultura Sustentável

A compreensão desses reguladores de crescimento vegetal naturais não apenas ajuda a desvendar o complexo processo de crescimento das plantas, mas também oferece insights valiosos para a agricultura sustentável. Esses compostos podem ser utilizados de maneira eficiente para impulsionar o crescimento saudável das plantas e aumentar a produtividade das culturas, enquanto protegem as plantas contra várias doenças.

Impacto dos Esteróis na Produção de Hormônios Vegetais

Os esteróis vegetais são elementos cruciais na produção de hormônios vegetais, principalmente o ácido abscísico. Este hormônio regula várias funções nas plantas, como a resposta ao estresse hídrico e a regulação do fechamento dos estômatos. Portanto, através de seu papel na síntese do ácido abscísico, os esteróis vegetais desempenham um papel vital no crescimento e sobrevivência das plantas.

Além disso, essas substâncias também contribuem para a estrutura e fluidez das membranas celulares, proporcionando a base necessária para o funcionamento adequado e a integridade das células vegetais. Sem uma quantidade adequada de esteróis, as células simplesmente não podem funcionar corretamente, levando a um crescimento e desenvolvimento anormais. Desta forma, os esteróis vegetais emergem como elementos fundamentais para a sobrevivência e prosperidade das plantas. 

Papel dos Esteróis Vegetais: Uma Visão Geral

Os esteróis vegetais desempenham papéis cruciais na vida das plantas, cumprindo uma variedade de funções. A tabela abaixo ilustra algumas dessas responsabilidades importantes.

Lembre-se, cada uma dessas substâncias desempenha um papel vital no desenvolvimento e crescimento das plantas. Portanto, o entendimento desses compostos naturais é significativo, particularmente em um contexto agrícola, onde a manipulação da produção de esteróis vegetais e do ácido abscísico pode fornecer uma maneira viável e ecologicamente correta de aumentar a resistência das plantas a condições de estresse, potencialmente levando a maiores rendimentos das colheitas.

Funções dos Esteróis Vegetais
Manutenção da estrutura e da fluidez da membrana celular
Atuação como precursores na biossíntese de outros compostos bioativos, como hormônios de crescimento e defesa
Manutenção da divisão e diferenciação celular normal
Regulação do transporte de nutrientes
Proteção das plantas contra estresse biótico e abiótico

Dessa forma, o entendimento do papel dos esteróis vegetais pode desencadear uma série de aplicabilidades no mundo da agricultura. 

Em resumo, os esteróis vegetais são compostos vitais para o crescimento e desenvolvimento das plantas, com potencial para serem utilizados de maneira mais sustentável na agricultura em comparação aos reguladores de crescimento sintéticos.

Polifenóis: guardiões das plantas 

Com efeito, os polifenóis são uma classe diversificada de compostos orgânicos que são essenciais para a sobrevivência e o sucesso das plantas. Eles são responsáveis por uma infinidade de funções, desde a proteção contra estresses ambientais até a regulação do crescimento e desenvolvimento das plantas.

A capacidade antioxidante dos polifenóis é uma das suas características mais conhecidas. Eles são eficazes na neutralização dos radicais livres que são criados como resultado da exposição à radiação UV e outros estresses ambientais. Este papel protetor é crucial para a saúde e a sobrevivência das plantas, permitindo-lhes prosperar em condições adversas.

Além disso, os polifenóis também atuam como reguladores de crescimento naturais, influenciando vários aspectos do desenvolvimento das plantas. Eles estão envolvidos na germinação das sementes, no crescimento dos brotos, na floração e na frutificação. Este papel regulador é crucial para a manutenção do ciclo de vida das plantas e para a perpetuação das espécies.

A atividade biológica dos polifenóis não se limita apenas às plantas. Eles também têm uma ampla gama de atividades biológicas que são de grande importância para a ecologia da planta. Como destacado por Harborne e Williams (2000), os polifenóis podem influenciar a interação das plantas com o seu ambiente, afetando a herbivoria, a decomposição do solo e a interação planta-patógeno.

Em resumo, os polifenóis são, sem dúvida, os super-heróis silenciosos do mundo vegetal, desempenhando uma variedade de funções que são vitais para a sobrevivência e o sucesso das plantas.

Contudo, qual é o método que eles utilizam para alcançar esses resultados? A explicação é ao mesmo tempo complexa e intrigante. Os polifenóis agem como sinais, interagindo com outras substâncias químicas presentes na planta de modo a potencializar ou diminuir suas funções, conforme a demanda específica da planta em um dado momento.

Modo de ação dos polifenóis como Reguladores de crescimento

Os polifenois, compostos orgânicos presentes nas plantas, atuam como reguladores de crescimento vegetal de maneira multifacetada. Segundo estudos realizados por Harborne e Williams (2000), é possível destacar pelo menos três modos de ação distintos desses fitoquímicos. 

  • O primeiro modo está relacionado à sua influência na atividade proteica, onde os polifenois agem modulando a atividade de proteínas específicas, afetando assim diversas funções celulares.
  • O segundo modo de ação é a sua interferência na sinalização hormonal. Dessa forma, os polifenois podem afetar a receptividade das plantas a diferentes hormônios, o que pode resultar em alterações no seu crescimento e desenvolvimento.
  • Finalmente, também se destacam por sua função como defesa contra patógenos, contribuindo para fortalecer as plantas contra a invasão de agentes infecciosos, como fungos, bactérias e vírus.

Assim, os polifenois não só enriquecem a diversidade química das plantas como desempenham papéis crucial na sua sobrevivência e adaptação ao ambiente. Eles exemplificam a habilidade inerente das plantas em explorar suas próprias capacidades bioquímicas para fins de defesa, crescimento e desenvolvimento.

Fitocromos: os reguladores sensíveis à luz 

Os fitocromos são como os olhos das plantas. Essas proteínas sensíveis à luz regulam uma grande variedade de processos de crescimento. Eles são responsáveis por vários fenômenos, desde a germinação de sementes até a floração e o desenvolvimento de frutos. Sem eles, as plantas seriam como um carro sem faróis – incapazes de responder adequadamente às mudanças na luz ambiente. 

O fitocromo é uma proteína que age como um sensor de luz, permitindo que as plantas ajustem seu crescimento e desenvolvimento de acordo com as condições de luz. Este regulador de crescimento é essencial para processos como a germinação das sementes, a floração e a orientação das plantas em direção à luz. A compreensão desses processos pode levar a novas abordagens para otimizar a produção agrícola de uma forma mais sustentável.

A absorção de luz pelo fitocromo desencadeia uma cascata de eventos na célula vegetal, alterando a expressão de genes específicos e, consequentemente, influenciando o crescimento e desenvolvimento da planta. Portanto, o entendimento minucioso do mecanismo de ação do fitocromo pode abrir portas para a manipulação precisa do crescimento das plantas, potencializando a produtividade agrícola ao mesmo tempo em que se respeita os limites do nosso planeta.

O papel crucial do fitocromo na regulação do crescimento vegetal 

O fitocromo é um regulador de crescimento vegetal natural e extraordinário. Esta proteína sensível à luz é rica nas cores vermelho e infravermelho longínquo, operando como maestro invisível do crescimento vegetal. Ao absorver a luz, ele transmuta de uma forma inativa para uma ativa, desencadeando uma cadeia de eventos que impactam diversos aspectos do desenvolvimento vegetal. 

Tomemos, por exemplo, o processo de germinação das sementes. Neste ato fundamental da vida vegetal, o fitocromo comporta-se como um maestro, acertando cada batida, determinando a hora certa para a semente emergir e crescer. Aqui a influência do fitocromo é marcante – sua sensibilidade à luz determina a realização desta promessa de vida. 

O fitocromo e o florescimento 

Um papel adicional fascinante desempenhado pelo fitocromo envolve a supervisão do florescimento. A imagem conceitual de cada botão de flor pode ser comparada a um solista, pacientemente aguardando sua oportunidade para se desvelar sob os holofotes. É o fitocromo que, sob a influência da luz apropriada, direciona o botão a se abrir, trazendo à vista a magnífica estrela interior. Portanto, constatamos que a intensidade e a qualidade da luz influenciam a quantidade e o momento de florescimento, refletindo diretamente na estética e produtividade da planta.

O fitocromo como maestro dos ritmos circadianos das plantas 

Por fim, mas não menos crucial, o fitocromo regula os ritmos circadianos da planta, este relógio biológico interno. Como o maestro do tempo, o fitocromo ajuda as plantas a entender a passagem do tempo e responder apropriadamente, sincronizando seu crescimento e desenvolvimento com os ciclos de dia e noite, as estações do ano e as mudanças no clima. 

Com as informações acerca do delicado e complexo papel do fitocromo, é possível venerar a precisão com a qual a natureza regula o crescimento vegetal. O uso de reguladores de crescimento naturais, como este, em nossa agricultura pode harmonizar as nossas práticas ao ritmo da natureza, favorecendo a sustentabilidade em nossas práticas agrícolas.

AçãoDescrição
Ativação de fitocromoTransmutação do fitocromo de uma forma inativa para uma ativa ao absorver luz.
Germinação de sementesMaestro do processo de brotamento de uma nova planta da semente.
FlorescimentoOrientação do momento de florescer pela absorção da luz correta.
Ritmos circadianosRegulação do relógio interno biológico das plantas, sincronizando seu crescimento aos ciclos diários e anuais.

Carotenóides: protetores solares naturais 

Os carotenóides são os protetores solares naturais das plantas. Eles são os responsáveis pela cor de muitas frutas e vegetais. Mas sua função vai além da estética: estes compostos ajudam a proteger as plantas contra danos causados pela luz solar intensa. 

Os carotenóides: Protetores solares das plantas 

Os carotenóides, são mais do que meros agentes de coloração que proporcionam tons atrativos de vermelho, laranja e amarelo. Armazenados nas células vegetais, esses pigmentos são verdadeiras maravilhas da natureza, desempenhando funções cruciais que vão muito além da alegria estética que oferecem. 

Entre suas funções mais dignas de nota, os carotenóides servem como protetores solares naturais para as plantas. Esta é, sem dúvida, uma de suas atribuições mais vitais. Ao considerar o papel dos carotenóides no reino vegetal, convém visualizá-los como minúsculos guardiões que combatem a ferocidade incessante do sol. 

Como os carotenóides protegem as plantas da luz solar intensa? 

Atuando de maneira discreta, porém significativa, os carotenóides revelam sua função protetora. Eles desempenham o papel de escudos naturais, captando o excesso de energia emanada pela luz solar e transmutando essa força indomável em calor. Esse processo impede que a energia superabundante danifique o delicado e imprescindível sistema fotossintético das plantas. Sem essa proteção, a intensidade implacável da luz solar poderia causar danos irreversíveis às estruturas celulares das plantas, interrompendo processos vitais e conduzindo, em último caso, à morte do vegetal. 

Em uma perspectiva mais formal e científica, os carotenóides são vitais para a regulação do crescimento das plantas, atuando como verdadeiros baluartes contra condições de alta luminosidade. Esses robustos reguladores naturais desempenham um papel crucial na manutenção da existência contínua e estabelecida das plantas. 

Em termos simples, eles se comportam como legítimos, embora não reconhecidos, guardiões da luminosidade, possibilitando a perpetuação da vida vegetal no planeta. Compreender seus mecanismos de ação não apenas aprimora nosso entendimento sobre o desenvolvimento vegetal, mas também enfatiza a complexidade e a beleza intrínsecas do mundo botânico.

Oxilipinas: defensores e reguladores 

As oxilipinas desempenham vários papéis no desenvolvimento das plantas. Elas influenciam tanto a defesa contra patógenos quanto a regulação do crescimento. Em outras palavras, elas ajudam as plantas a crescer forte e saudável, enquanto as defendem contra possíveis ameaças. 

Compreender esses reguladores de crescimento vegetal naturais é fundamental não só para entender o complexo processo de crescimento das plantas, mas também para buscar formas mais sustentáveis e eficientes de impulsionar a agricultura. Com a aplicação correta destes compostos, podemos promover um crescimento saudável das plantas, garantindo ao mesmo tempo a sustentabilidade do nosso planeta.

As oxilipinas, de fato, emergem como importantes reguladores de crescimento naturais nas plantas. Estes lipídios, que são gerados a partir do metabolismo do ácido araquidônico, desempenham papéis essenciais na sinalização celular vegetal. Especificamente, eles estão envolvidos na resposta das plantas a uma variedade de estresses abióticos e bióticos.

A função das oxilipinas na sinalização celular permite que as plantas respondam e se adaptem a condições ambientais adversas. Isso é especialmente importante na resposta ao estresse, onde as oxilipinas podem mediar a resposta das plantas ao estresse salino, ao estresse por seca, ao estresse por frio, ao estresse oxidativo e a vários patógenos.

Além disso, as oxilipinas desempenham um papel crucial no crescimento e desenvolvimento das plantas. Como Wasternack e Hause (2008) apontam, as oxilipinas são mediadoras de resposta a sinais no crescimento e desenvolvimento das plantas. Elas estão envolvidas no controle de vários processos vitais, incluindo a germinação, o crescimento da raiz, a floração, a senescência e a defesa vegetal.

Exemplo de ação das oxilipinas

Para ilustrar, as oxilipinas podem regular a germinação das sementes ao afetar a mobilização de reservas de nutrientes. Elas também podem influenciar o crescimento da raiz ao mediar a resposta das plantas a nutrientes específicos no solo. Além disso, as oxilipinas podem afetar a floração ao interferir na sinalização hormonal que regula este processo. Finalmente, elas podem mediar a defesa vegetal ao induzir a produção de compostos que protegem as plantas contra patógenos.

Em resumo, as oxilipinas são componentes essenciais da sinalização celular vegetal, desempenhando um papel fundamental na resposta das plantas a estresses ambientais e na regulação do seu crescimento e desenvolvimento.

Particularidades na ação das oxilipinas 

As oxilipinas têm a particularidade de atuar de maneiras diferentes, dependendo do tipo de planta e das condições ambientais. Por exemplo, Fariduddin et al. (2010) relataram que as oxilipinas podem promover ou inibir o crescimento das plantas, dependendo de sua concentração e do estágio de desenvolvimento da planta

Conforme descrito por Fariduddin et al. (2010), a compreensão obtida de nossos estudos desenha um cenário incrivelmente repleto de contrastes. As plantas, delicadamente influenciadas pela leve brisa que difunde baixas quantidades de oxilipinas, apresentam um crescimento vital e robusto. No entanto, quando confrontadas com ventos fortes, transportando altas doses de oxilipinas, as plantas são compelidas a fortalecer suas estruturas e assumir um comportamento defensivo, limitando a expansão de seu crescimento como um esforço focado na autoproteção. Essa é uma estratégia de sobrevivência envolvente que, em sua aguda necessidade prática, encanta pela sua sutileza poética.

Prost et al (2005) relata o quão interessante foi ver que a primeira grande avaliação comparativa dos efeitos antimicrobianos das oxilipinas mostrou que as oxilipinas regulam as defesas das plantas e são as mais ativas contra microorganismos eucarióticos. Isso sugere que as oxilipinas podem defender extraordinariamente as plantas, atuando nelas e nos patógenos que tentam invadí-las, possivelmente através de mecanismos conectados.

Utilização das oxilipinas na agricultura 

Com toda a sua multifacética capacidade de ação e influência, as oxilipinas se revelam como uma promessa considerável para as aplicações nas ciências agrárias. Uma compreensão mais profunda e precisa do papel desempenhado por essas substâncias no crescimento vegetal poderia abrir o caminho para o desenvolvimento de estratégias voltadas à otimização da produção de plantas, em um contexto de sustentabilidade e eficácia. Isto é apoiado pelas considerações propostas por Mueller e Berger em 2009.

Neste trabalho crucial, Mueller e Berger (2009) exploraram o papel das oxilipinas no crescimento e desenvolvimento de plantas, sugerindo que sua manipulação poderia levar a avanços significativos na produção agrícola sustentável. Seus estudos lançaram uma luz na interação complexa desses compostos com diversas vias metabólicas e fisiológicas dentro da planta, abrindo novas portas para a aplicação responsável e consciente destes reguladores naturais do crescimento vegetal.

AutoresAnoConclusões 
Wasternack & Hause2008Oxilipinas funcionam como reguladores de crescimento nas plantas. 
Fariduddin et al.2010Oxilipinas podem promover ou inibir o crescimento, dependendo das condições. 
Mueller e Berger2009As oxilipinas têm potencial para melhorar a produção sustentável de plantas 

Em suma, fica evidente o fascinante e ainda misterioso papel das oxilipinas no crescimento e desenvolvimento vegetal. O domínio deste conhecimento pode trazer contribuições inestimáveis para uma agricultura mais verde e próspera.

Quitosana: Um Potente Modulador Vegetal 

Um dos reguladores de crescimento vegetal naturais mais fascinantes é a quitosana. Este polissacarídeo derivado da quitina encontrada em crustáceos oferece uma série de benefícios para as plantas, desde a promoção do crescimento até a proteção contra doenças. 

Estudos indicam que a quitosana pode aumentar a germinação e crescimento das plantas, melhorar a resistência ao estresse e servir como um biopesticida natural. Além disso, este composto pode ser utilizado de forma sustentável, tornando-o uma excelente alternativa aos reguladores de crescimento sintéticos. 

Derivados de Quitosana e Suas Funções 

Os derivados de quitosana, como a oligoquitosana, exibem igualmente propriedades benéficas para as plantas. Estes podem ser usados para estimular o crescimento das plantas, aumentar a produtividade das culturas e proteger as plantas contra várias doenças. 

  • Estimulação do crescimento: A oligoquitosana pode induzir o crescimento das raízes e a germinação das sementes, melhorando assim a taxa de sobrevivência das plantas.
  • Aumento da produtividade: A aplicação de oligoquitosana pode promover a floração e o crescimento dos frutos, resultando em uma maior produtividade das culturas.
  • Proteção contra doenças: A oligoquitosana demonstrou ter a capacidade de induzir a resistência das plantas a diversos patógenos, funcionando como um biopesticida natural.

Portanto, a quitosana e seus derivados não apenas ajudam a promover o crescimento das plantas, mas também oferecem proteção contra diversas doenças. Isso os torna uma opção viável para uma agricultura mais sustentável e produtiva.

Em resumo, a quitosana e seus derivados são poderosos aliados para a agricultura, capazes de promover o crescimento saudável das plantas, aumentar a produtividade das culturas e proteger contra doenças, tudo isso de forma sustentável. Portanto, a quitosana representa uma mudança benéfica para a agricultura, um passo em direção a um futuro mais verde e sustentável.

Quais são as vantagens dos reguladores de crescimento vegetal naturais em relação aos sintéticos na agricultura sustentável?

Os reguladores de crescimento vegetal naturais apresentam diversas vantagens em relação aos sintéticos na agricultura sustentável. Uma das principais vantagens é a sua origem natural, o que significa que são obtidos a partir de fontes renováveis, como plantas e algas. Isso contribui para a redução do impacto ambiental, uma vez que não são necessários processos químicos intensivos para a sua produção.

Além disso, os reguladores de crescimento vegetal naturais tendem a ser mais seguros para o meio ambiente e para a saúde humana. Ao contrário dos reguladores sintéticos, que podem deixar resíduos tóxicos no solo e nas plantas, os naturais são biodegradáveis e não deixam resíduos prejudiciais. Isso é especialmente importante na agricultura sustentável, que busca minimizar o uso de produtos químicos nocivos.

Outra vantagem dos reguladores de crescimento vegetal naturais é a sua capacidade de promover um crescimento mais equilibrado e saudável das plantas. Eles atuam de forma mais suave e gradual, permitindo um desenvolvimento mais harmonioso das plantas, sem causar desequilíbrios ou efeitos indesejados. Isso é fundamental para a obtenção de uma produção de qualidade e sustentável.

Reguladores de crescimento sustentáveis

Os reguladores sintéticos têm servido fielmente à agricultura, contribuindo para a sua expansão e produtividade. No entanto, o uso prolongado e por vezes exagerado desses produtos sintéticos resulta em uma série de implicações, impactando não apenas o meio ambiente, mas a saúde do consumidor, do agricultor e a longevidade produtiva do solo. 

Daí a urgência em trazer para a cena do dia-a-dia agrícola os magníficos reguladores de crescimento naturais. Eles se apresentam como a solução perfeita, pois promovem o crescimento e a produtividade das plantas, ao mesmo tempo em que abraçam a impactante bandeira da sustentabilidade. A transição dos reguladores sintéticos para os naturais pode ocorrer de forma suave e estratégica, garantindo o equilíbrio entre produtividade e sustentabilidade. 

Por fim, os reguladores de crescimento vegetal naturais também podem ser mais econômicos a longo prazo. Embora possam ter um custo inicial um pouco mais elevado do que os sintéticos, eles geralmente requerem doses menores e têm efeitos mais duradouros. Isso significa que, ao utilizar reguladores naturais, os agricultores podem reduzir a quantidade de produto utilizado e, consequentemente, os custos com insumos, além de promover uma produção mais sustentável e de melhor qualidade.

Referências Bibliográficas 

  1. EL HADRAMI, A.; ADAM, L. R.; EL HADRAMI, I.; DAAYF, F. Chitosan in plant protection. Marine drugs, v. 8, n. 4, p. 968-987, 2010.
  2. MALIK, T.; SINGH, P.; PANT, S.; MISHRA, S.; BHUSHAN, S.; GUPTA, S. K.; SHARMA, K. Chitosan nanoformulations: An updated review. International journal of biological macromolecules, v. 155, p. 1424-1438, 2020. https://doi.org/10.1111/j.1744-7909.2011.01053.x.
  3. SHARIF, R.; MUJTABA, M.; RAHMAN, M. U.; SHALMANI, A.; AHMAD, H.; ANWAR, T.; MOGA, M. Chitosan nanoparticles, a hopeful approach in plant science and agriculture: synthesis, application and future perspectives. Nanomaterials, v. 11, n. 1, p. 220-239, 2021.
  4. HOFFMANN, M. et al. Auxin-oxylipin crosstalk: relationship of antagonists. Plant Physiology and Biochemistry, v. 53, n. 6, p. 429-445, 2011.
  5. PROST, I. et al. Evaluation of the antimicrobial activities of plant oxylipins supports their involvement in defense against pathogens. Plant Physiology, v. 139, p. 1902-1913, 2005. https://doi.org/10.1104/pp.105.066274.
  6. Harborne, J.B. and Williams, C.A. 2000. Advances in flavonoid research since 1992. Phytochemistry, 55 (6), 481-504.
  7. TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.
  8. WANI, S. H. et al. Plant hormones: growth, development and stress responses. New York: CRC Press, 2021.
  9. HAYAT, S.; AHMAD, A. Brassinosteroids: a class of plant hormone. Dordrecht: Springer, 2007.
  10. TAIZ, L. The plant hormone ethylene. In: ARORA, R. (ed.). Plant hormone signaling. Wallingford: CABI Publishing, 2004. cap. 4.
  11. SCHALLER, G. E. Ethylene and the regulation of plant development. BMC Biology, v. 12, n. 1, p. 1-9, 2014.
  12. Howe, G.A., & Schilmiller, A.L. (2002). Oxylipin metabolism in response to stress. Current Opinion in Plant Biology, 5(3), 230-236.
  13. Blee, E. (2002). Impact of phyto-oxylipins in plant defense. Trends in Plant Science, 7(7), 315-322.
  14. Feussner, I., & Wasternack, C. (2002). The lipoxygenase pathway. Annual Review of Plant Biology, 53, 275-297.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou? Então compartilhe nas redes