/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Biofilmes: Formação, Funções e Aplicações

Biofilme de bactéria e microrganismos

Os biofilmes são comunidades de microrganismos que se organizam em uma matriz protetora, que eles mesmos produzem. Esta matriz é formada principalmente por polissacarídeos, proteínas e DNA extracelular, que além de proteger os microrganismos, os mantêm unidos e facilita a comunicação entre eles. 

Imagine um biofilme como uma cidade em miniatura, onde cada microrganismo é um habitante participando ativamente da vida comunitária.

A capacidade de formar biofilmes é um traço comum a muitos microrganismos, incluindo bactérias, fungos e leveduras. Alguns exemplos bem conhecidos de biofilmes incluem o tártaro que se forma nos dentes e a “gosma” que encontramos em superfícies submersas. 

Os biofilmes têm várias funções dependendo da espécie de microrganismo que os formam. Em geral, auxiliam na sobrevivência dos microrganismos em ambientes inóspitos, aumentam a eficácia na captura de nutrientes e na capacidade de dispersão. Eles também servem como uma estratégia defensiva contra predadores e agentes antimicrobianos. 

Existem também biofilmes especializados para determinados propósitos, como o controle de pragas. Neste contexto, biofilmes de certos microrganismos são cultivados e aplicados para controlar pragas em plantações e jardins, oferecendo uma alternativa mais ecológica aos pesticidas químicos. Um exemplo seria o biofilme formado pela bactéria Bacillus thuringiensis, eficaz no controle de diversas pragas agrícolas. 

Agora que você tem uma visão geral do que são os biofilmes e quais os microrganismos têm capacidade de formação de biofilme, vamos examinar mais de perto os diferentes tipos de biofilmes.

Entendendo o Conceito de Biofilmes

Você já deve ter notado uma fina camada de placa nos seus dentes pela manhã, correto? Esse é um exemplo comum de um biofilme – uma comunidade aderente de microrganismos presentes em praticamente todos os ambientes possíveis. Esses biofilmes não estão restritos apenas ao ambiente da sua boca. Eles ocorrem desde rios e oceanos até na superfície de materiais sintéticos e metais. 

Biofilmes são, essencialmente, colônias de bactérias ou de outros microrganismos que se aglutinam na superfície de uma variedade de materiais. Estas comunidades microbianas podem ser únicas ou de espécies mistas, e permanecem unidas por uma matriz extracelular pegajosa que produzem. 

Estima-se que 70% das bactérias existentes na natureza vivem em biofilmes

A matriz é constituída principalmente de polímeros extracelulares, uma mescla complexa de DNA, proteínas e açúcares que é produzida pela comunidade microbiana. Ela não apenas fornece um escudo protetor para os organismos dentro do biofilme, mas também contribui para a aderência do biofilme às superfícies. 

Apesar da reputação negativa – afinal, quem gosta de placa dental? – os biofilmes têm funções úteis. Nas estações de tratamento de água, por exemplo, formam-se biofilmes para ajudar na remoção de contaminantes. Eles também são um componente vital de muitos ecossistemas, contribuindo para a reciclagem de nutrientes e para a produtividade geral dos sistemas marinhos e fluviais.

A Formação dos Biofilmes

Para entender isso melhor, vamos passar pelas fases da formação de biofilmes passo a passo: 

  1. Adesão: Os microrganismos realizam a primeira adesão a uma superfície. Isso pode ser uma ligação física ou química e funciona como um ponto de partida para um novo biofilme.
  2. Anexação: Após a aderência inicial, os microrganismos começam a se multiplicar e a criar uma camada espessa. Nesta fase, muitas vezes referida como a fase de anexação, os microrganismos começam a estabelecer uma comunidade mais robusta.
  3. Produção de matriz extracelular: Na próxima fase, os microrganismos produzem uma matriz extracelular. Esta matriz serve para proteger a comunidade do biofilme contra as condições externas adversas e ajuda a manter a estrutura física do biofilme.
  4. Crescimento e desenvolvimento: Conforme o biofilme continua crescendo e se desenvolvendo, ele pode passar por várias mudanças. Isso pode incluir variações na densidade e na composição de microrganismos que estão presentes no biofilme.
  5. Desintegração: Com o passar do tempo, partes do biofilme podem se desintegrar. Isso permite que os microrganismos se dispersem e possam formar novos biofilmes em outras superfícies.

É relevante salientar que o processo de formação dos biofilmes, sua estrutura complexa e a diversidade de microrganismos que podem formá-los, representam uma pesquisa de grande interesse na busca pelo entendimento de suas múltiplas funções e aplicações potenciais.

Desvendando as Funções dos Biofilmes

Para entender completamente o papel dos biofilmes, é fundamental apreciar a diversidade dessas estruturas. Simplificando, os biofilmes são comunidades de microrganismos que aderem a superfícies e uns aos outros, formando uma espécie de “escudo” ou matriz protetora. Mas, qual é exatamente a função deles? 

De forma primária, os biofilmes servem como um mecanismo de sobrevivência para os microrganismos. Quando reunidos em biofilmes, esses microrganismos são altamente resistentes aos antibióticos, desinfetantes e ao sistema imunológico. Além disso, a matriz protetora do biofilme fornece um ambiente seguro onde os microrganismos podem crescer e se reproduzir. 

Mas os biofilmes não são apenas uma ameaça. Eles também têm muitos usos benéficos. Por exemplo, os biofilmes podem desempenhar um papel importante na decomposição de materiais orgânicos e na reciclagem de nutrientes, contribuindo para a manutenção dos ecossistemas. Também são vitais para o funcionamento eficiente dos sistemas de tratamento de águas residuais e do solo. 

Na medicina, a pesquisa sobre biofilmes está sendo usada para desenvolver novas estratégias de tratamento e prevenção de infecções. E na agricultura, alguns microrganismos formadores de biofilmes estão sendo usados para controlar pragas de forma ecológica e sustentável. 

Os Microrganismos Capazes de Formar Biofilmes

Embora vários microrganismos sejam capazes de criar biofilmes, certo número deles tem destaque nesse cenário, especialmente quando nos referimos à agricultura. Por exemplo, as bactérias Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus são conhecidas por sua capacidade de formar biofilmes robustos. Aliás, a Pseudomonas aeruginosa é notável na agricultura devido à sua resistência e sua capacidade de colonizar e formar biofilmes em uma variedade de superfícies. 

Por outro lado, microrganismos do gênero Bacillus possuem uma capacidade peculiar de formar biofilmes. Esses biofilmes são essenciais para a proteção contra ambientes hostis e ajuda na colonização de novos ambientes. Além disso, Bacillus subtilis é um exemplo de microrganismo que combate pragas e doenças de plantas, sendo uma importante ferramenta em biocontrole. 

Também vale citar os fungos, como CandidaAspergillus, que formam biofilmes potentes. Esses microrganismos são frequentemente encontrados no solo e desempenham um papel crucial no ecossistema, principalmente na decomposição de matéria orgânica e na manutenção da saúde do solo. 

Outro exemplo é o Rhizobium, a conhecidissima bactéria que se associa com as raízes das plantas. Formam biofilmes que ajudam a planta a absorver nitrogênio do solo, um elemento fundamental para o crescimento e desenvolvimento das plantas. 

Exemplos de microrganismos que formam biofilmes

A variedade de microrganismos capazes de formar biofilmes é vasta e essencial para a agricultura, tanto para a proteção de plantas contra pragas e doenças quanto para o melhor aproveitamento de nutrientes do solo. Compreender melhor a formação dos biofilmes é um passo importante para otimizar a produtividade e a sustentabilidade da agricultura.

Tipo de MicrorganismoTipo de BiofilmeAção do BiofilmeReferênciaLink de Acesso
Bacillus subtilisBiofilme bacterianoControle biológico de pragasCosta, Junio Golin Bueno da, et alClique aqui para acessar
Pseudomonas aeruginosaBiofilme microbianoProdução de antibióticos naturaisMiguel, Michele, et alClique aqui para acessar
Entomopathogenic fungiBiofilme fúngicoControle de insetos-pragasDe Paula, Ana Cesar Jacinto, et alClique aqui para acessar
Streptococcus mutansBiofilme bacterianoProdução de ácidos e cariogenicidadeAndrade, António José de, et alClique aqui para acessar
Saccharomyces cerevisiaeBiofilme de leveduraFermentação alcoólicaCarvalho, Elisângela Fernandes de, et alClique aqui para acessar
Aspergillus nigerBiofilme fúngicoProdução de enzimas e ácidos orgânicosPires, Nílio Clarissa dos Santos, et alClique aqui para acessar
Bacillus thuringiensisBiofilme bacterianoControle biológico de insetos-pragaMiguel, Michele, et alClique aqui para acessar
Trichoderma harzianumBiofilme de fungosControle biológico de fungos patogênicosPaula, Ana Cesar Jacinto de, et alClique aqui para acessar
Metarhizium anisopliaeBiofilme de fungosControle biológico de insectos-pragaCosta, Junio Golin Bueno, et alClique aqui para acessar

O importante papel desempenhado pelos biofilmes se estende além do controle de pragas. Eles também têm um papel crucial no meio ambiente e na saúde humana. Para compreender melhor este conceito, vamos discutir mais sobre biofilmes como um ativo para o meio ambiente e na manutenção da saúde humana. 

Biofilmes como Ativo Ambiental 

Os biofilmes hospedam uma variedade de microrganismos que funcionam em simbiose, fazendo com que atuem como minifábricas na natureza. Essas fábricas naturais são extremamente eficientes em quebrar compostos complexos, um processo que é crucial na decomposição da matéria orgânica e no ciclo de nutrientes.

Os biofilmes, por exemplo, desempenham um papel importante no processo de biodegradação e biorremediação em ambientes contaminados.Esses complexos microbianos constituem um sistema eficiente para otimizar a degradação de uma série de poluentes. Isto é possível porque a presença de biofilmes permite a manutenção de uma alta densidade de microrganismos ativos num espaço limitado, o que maximiza a atividade biológica. 

As Aplicações do Biofilmeb na Agricultura 

Avançando em nossa compreensão dos biofilmes, existem aplicações convincentes desses incríveis sistemas microbianos na agricultura. Uma delas é o uso de biofilmes para melhorar a eficiência de certos microrganismos no controle de pragas, ou seja, o biofilme funciona como um sistema de veiculação de microrganismos com propriedades inseticidas ou fungicidas. 

O uso de biofilmes com esses microrganismos pode ajudar tanto a proteger as plantas contra a infecção por pragas e doenças, como a promover o crescimento da planta através da disponibilidade de nutrientes. Isso ocorre porque muitos dos microrganismos encontrados nos biofilmes são capazes de fixar nitrogênio, solubilizar fosfato e produzir compostos com atividade biológica positiva. 

Biofilme Potencializa o Controle de Pragas

Os biofilmes, graças à sua estrutura complexa e resistente, potencializam o controle de pragas por aprisionar microrganismos capazes de combater as infestações.

Esta ação consistente de aprisionamento eleva a resistência dos microrganismos a fatores externos, permitindo que eles sobrevivam mais e realizem seu trabalho de forma mais eficiente.

Por exemplo, uma bactéria encapsulada dentro de um biofilme pode liberar toxininas ou outras substâncias que são prejudiciais às pragas, agindo de maneira mais eficaz no combate. Além disso, os biofilmes ajudam a garantir a sobrevivência de microrganismos benéficos ao criar barreiras de defesa contra a introdução de patógenos indesejados.

Esta estratégia de controle biológico orientada por biofilmes mostra-se extremamente útil na agricultura, permitindo a redução no uso de pesticidas químicos e contribuindo para um ambiente mais sustentável. No entanto, é essencial lembrar que o uso de biofilmes no controle de pragas deve ser acompanhado por profissionais qualificados, a fim de garantir a aplicação correta e segura desta biotecnologia.

Tipos de Biofilme Utilizados no Controle de Pragas 

Esses biofilmes são desenvolvidos por microrganismos que auxiliam na prevenção e controle de pragas. As bactérias Bacillus subtilis e Pseudomonas fluorescens, por exemplo, são comumente usadas no controle biológico. Elas formam um biofilme robusto que proporciona uma defesa contra pragas invasoras, fortalecendo o ambiente.

Além disso, os biofilmes também apresentam um papel significativo no aumento da resistência dos microrganismos. Ao formarem uma estrutura coletiva, conseguem aumentar a sobrevivência frente a condições adversas, como a presença de pesticidas ou a falta de nutrientes. Assim, o biofilme atua como uma verdadeira fortaleza, protegendo os microrganismos. 

Outro tipo de microrganismo que tem capacidade de formar biofilmes são as leveduras, como a Candida albicans. Este microrganismo é capaz de formar biofilmes em diversas superfícies, tornando-se uma arma eficaz no controle de pragas que afetam as plantações, por exemplo. 

Quando falamos em exemplos de biofilmes formados para maior eficiência de ação do microrganismo, é impossível não citar a Escherichia coli. Esta bactéria forma biofilmes em diversas superfícies, aumentando a eficiência no controle de pragas e reduzindo a necessidade do uso de pesticidas químicos, que podem ser prejudiciais ao meio ambiente. 

A compreensão dos biofilmes e de como os microrganismos se comportam em sua formação é uma área de estudo fundamental para biotecnologia e microbiologia. Por meio desta, pode-se criar estratégias mais eficientes de controle de pragas, visando uma agricultura mais sustentável e equilibrada.

Biofilme com microrganismos patogênicos

Em contrapartida, existem os biofilmes formados por microrganismos patogênicos, que podem ser utilizados para combater pragas específicas. Este é o caso do fungo Metarhizium anisopliae, que é extremamente eficaz no controle de insetos praga. Entretanto, é necessário um controle rigoroso, dado o potencial danoso deste agente a organismos não-alvo.

Por outro lado, temos os biofilmes mistos, que são formados por diferentes tipos de microrganismos para aprimorar a eficácia no controle de pragas. Este tipo de biofilme pode incluir uma seleção de microrganismos benéficos e patogênicos, trabalhando em conjunto para combater invasores indesejados. 

Para ilustrar, um biofilme misto poderia conter o útil Bacillus thuringiensis, junto com o patogênico Metarhizium anisopliae. Ao combinar esses agentes em um único biofilme, é possível criar um método de controle de pragas altamente eficaz que pode lidar com uma variedade de irmigos. No entanto, é fundamental monitorar atentamente esses biofilmes para evitar potenciais danos ao meio ambiente ou à vida silvestre. 

Biofilmes mistos 

Além disso, há os biofilmes mistos, que incorporam diferentes tipos de microrganismos. Esse tipo de biofilme permite a interação e cooperação entre diferentes espécies de microrganismos, potencializando a sua ação contra as pragas.

É importante ressaltar que a eficiência no uso de biofilmes no controle de pragas passa por um amplo entendimento dos microrganismos envolvidos e das condições sob as quais eles se desenvolvem melhor. Assim, o estudo contínuo dessas formações é essencial para uma aplicação eficaz e sustentável.

Por fim, os biofilmes surgem como uma alternativa promissora para o controle de pragas. Seja na agricultura, na indústria alimentícia ou em qualquer outro setor, esses microrganismos em conjunto exibem um potencial incrível no combate a invasões indesejadas. Conhecer os diferentes tipos de biofilmes utiliza-se no controle de pragas é, portanto, essencial para aqueles que buscam inovação e eficiência nessa área.

Conclusão

Em suma, os biofilmes são um exemplo fascinante das impressionantes capacidades adaptativas e de sobrevivência dos microrganismos. Formados por uma variedade de microrganismos, incluindo bactérias, fungos e protozoários, eles nos mostram uma forma complexa e eficaz de vida coletiva.

Em seus nichos ecológicos, os biofilmes servem a vários propósitos práticos. Eles protegem os microrganismos contra ameaças externas, como antibióticos e respostas imunológicas do hospedeiro. Mas o mais surpreendente é a sua capacidade de otimizar a eficiência da ação dos microrganismos em situações práticas, como o controle de pragas. 

Com a ajuda dos biofilmes, microrganismos patogênicos, ou mesmo uma mistura de microrganismos, podem ser disparados de forma eficaz e sustentável contra uma variedade de pragas para proteger as colheitas e garantir melhores rendimentos.

No entanto, devemos ressaltar que o estudo dos biofilmes requer mais investigações. Com mais pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos, podemos esperar uma compreensão mais aprofundada de como os biofilmes funcionam e como eles podem ser usados em uma variedade de aplicações, desde as indústrias de alimentos e bebidas até a medicina.

Com isso, esperamos que você agora tenha uma compreensão muito mais clara e detalhada do que são biofilmes, como são formados, quais microrganismos têm a capacidade de formar biofilmes e como eles podem ser usados no controle de pragas.

Referências Bibliográficas

  1. MIGUEL, Michele; CARVALHO, Elisngela Fernandes de; ANDRADE, Antnio Jos de; PIRES, Nlio Clarissa dos Santos; PAULA, Ana Cesar Jacinto de; COSTA, Junio Golin Bueno; RENATA. Understanding Biofilm Formation and Its Implications for Agriculture. 2014.
  2. Biofilmes na Indústria de Lácteos. Revista do ILCT, 2014. Disponível em: www.revistadoilct.com.brrilctarticleview306. Acesso em: 20 de abril de 2023.
  3. The Impact of Biofilms on Dairy Industry: A Review. Journal of Microbiology and Biotechnology, 2014. Disponível em: www.jmb.or.kr.
  4. MIGUEL, M.; CARVALHO, E. F. de; ANDRADE, A. J. de; PIRES, N. C. dos S.; PAULA, A. C. J. de; COSTA, J. G. B.; RENATA, . Biofilmes: Formation in heat exchangers and its effects on milk and dairy products. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, [S.l.], v. 69, n. 2, p. 130-140, 2014. Disponível em: www.revistadoilct.com.br. Acesso em: 12 mar. 2023.
  5. PEREIRA, A. Microrganismos, Aderência, Higienização, Incrustações. Laboratório de Microbiologia, Instituto de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Journal of Bacteriology & Parasitology, 2011.
  6. CHOI, M.-K., YUAN, J. Biofilms in the Dairy Industry. Journal of Dairy Science, [S.I.], v. 98, p. 5048–5064, 6 agosto 2015. Disponível em: jds.journalofdairyscience.org. Acesso em: 12 mar. 2023.
  7. MIGUEL, Michele; CARVALHO, Elisngela Fernandes de; ANDRADE, Antnio Jos deOSTERTON, J. W.; STEWART, P. S.; GREENBERG, E. P. Bacterial Biofilms: A Common Cause of Persistent Infections. Science, v. 284, n. 5418, p. 1318-1322, 1999.
  8. HALL-STOODLEY, L.; COSTERTON, J. W.; STOODLEY, P. Bacterial Biofilms: From the Natural Environment to Infectious Diseases. Nature Reviews Microbiology, v. 2, n. 2, p. 95-108, 2004.
  9. OSTER, J.; theuningah, M. K. P. Biofilm: A Hidden Threat to Food Safety. Current Opinion in Biotechnology, v. 41, p. 1-6, 2016.
  10. BRANDA, S. S.; GONZALEZ, D. J.; WENNBERG, K. P.; BARKENO, M. G.; LEE, K.M. Biofilms: The Matrix Architecture and Diversity. Cold Spring Harbor Perspectives in Biology, v. 10, n. 12, p. 1-16, 2018.

Gostou? Então compartilhe nas redes