fbpx
calagem em plantio direto

O que você precisa saber para fazer calagem em plantio direto

Calagem em plantio direto: Quando aplicar e reaplicar, quais camadas do solo analisar, fazer ou não a incorporação do calcário e outras respostas para dúvidas frequentes!

O sistema de plantio direto surgiu em meados de 1970, mas a prática só se desenvolveu a partir de 1990. 

De lá pra cá, o plantio direto passou de 1 milhão de hectares para mais de 40 milhões. Até 2050 a estimativa é que alcançaremos mais de 72 milhões de ha.

Por esse  grande crescimento nas últimas décadas e pelo sistema ser relativamente novo, algumas das técnicas agronômicas tradicionais tiveram que ser adequadas para tal manejo, como por exemplo a calagem.

Diante disso, iremos discutir a seguir, como realizar corretamente a técnica de calagem em plantio direto, ressaltando alguns conceitos e necessidades que esse sistema trouxe.

Implantando a calagem em plantio direto

A implantação da calagem no sistema de plantio direto é uma das etapas mais importantes do sistema. O calcário tem um poder de correção lento e no momento que estamos abrindo a área podemos incorporá-lo ao solo.

Sempre é indicado a análise do solo para que possamos calcular a necessidade de calcário  em relação às informações obtidas do solo.

Quais os métodos de calagem mais indicados?

Quando falamos em calagem, existem 3 maneiras de se calcular a necessidade de calagem (NC) e segundo a calagem (Embrapa) são utilizados regionalmente como veremos a seguir:

  • Método do Índice SMP

Utilizado no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

  • Método do Alumínio Trocável

Utilizado em Minas Gerais, no Goiás, no Mato Grosso do Sul e no Mato Grosso

  • Método da Saturação por Bases (V%)

Utilizado em São Paulo e, em alguns casos, nas regiões dos Cerrados e no Paraná.

Mas, mesmo com essa regionalização, o método mais indicado para a calagem em plantio direto é pela saturação de bases, conhecida como V%. 

Calagem na implementação do Sistema Plantio Direto

Antes de implementar o SPD é importante utilizar calcários com o Poder Relativo de Neutralização Total (PRNT) mais baixos, em torno de 65-70%.

O motivo disso é de conseguir um maior efeito residual, principalmente em profundidade. O calcário tem baixa mobilidade no solo, mas com o tempo ele vai caminhando para as camadas mais profundas, já que o solo não será mais revolvido.

Além de calcular a NC do solo, é recomendado ainda, acrescentar 10 unidades a mais no V% exigido pela cultura.

Vamos a um Exemplo:

Se o V2 = 70% fazemos o cálculo de necessidade de calagem com o V2 = 80%.

Uma vez implantado o sistema de plantio direto é extremamente importante fazer a manutenção anual da fertilidade do solo explorado, por meio de análise química do solo.

Falando ainda sobre correção do solo, é importante também realizar a gessagem no SPD. Você pode saber mais sobre gessagem nesse artigo.

Calagem em plantio direto de sistemas já implantados

Com o sistema já instalado, é feita a aplicação da calagem na superfície em sistema plantio direto.

Além disso, é recomendado realizar a amostragem de solo na camada de 0-10 cm, 10-20 cm e 20-40cm, diferentemente do método tradicional de 0-20cm e 20-40cm. 

A separação da análise química, com a camada de 0-10cm, representa melhor o sistema de plantio direto já que aplicamos o calcário na superfície, fazendo com que as principais reações aconteçam nessa pequena camada. 

A análise de 10-20 cm é também crucial, onde pode ser detectado uma possível acidez do solo. Assim, uma análise de 0 a 20cm poderia mascarar o que está acontecendo nessa camada.

Esse acompanhamento e correção feita de modo adequado permite melhor enraizamento e absorção de nutrientes,  proporcionando melhores resultados.

Fonte: Vitti e Priori

Efeitos do SPD em relação ao V%

Em SPD as culturas são um pouco mais tolerantes a V% mais baixos que o recomendado pelos boletins.

As causas para isso são duas:

1) Ocorre devido a decomposição de material vegetal que libera ácidos orgânicos, que por sua vez podem complexar Al e Mn tóxicos, deixando-os em uma formas não assimiláveis pela planta;

2) Potencial aumento da matéria orgânica, após algum certo tempo, que também pode agir como agente complexante do Al3+.

Calcário na linha de plantio

A utilização de calcário na linha de plantio tem como objetivo a aplicação de calcário em profundidade, além de otimizar o uso de insumos.

Fonte: GAPE
Fonte : GAPE

Apesar desta técnica ainda não ser tão difundida ainda, há indícios de sua eficiência em melhorias qualidade química do solo, segundo este e outros trabalhos.

O que fazer se não tiver um perfil de solo corrigido em SPD

Como discutimos anteriormente, é imprescindível que tenha um perfil de solo corrigido para obter áreas de alta produção.

Caso seja observado na análise solos ácidos ou com concentração de alumínio, temos duas possibilidades, que dependem do quanto queremos investir:

  • Corrigir ao longo do tempo com doses mais elevadas de calcário com maior PRNT e associação do gesso (25% da dose de calcário podemos colocar de gesso, conhecido como “pá química”);
  • Reforma da área, o que implica em maior investimento e uso de implementos e máquinas e começar novamente o SPD.

Calcário altamente reativo é a solução?

Para a implementação do sistema, com certeza não. Como vimos, o melhor é usar um calcário com baixo poder reativo que reagirá nas camadas mais profundas do solo lentamente.

Para sistemas já consolidados, que seria a correção do perfil de solo ao longo do tempo, temos visto no mercado alguns produtos, que prometem uma maior eficiência e tempo de reação mais curto.

Mas cuidado com esse discurso de vendas, não existe milagre! 

Sobre o calcário líquido, por exemplo, IAC e a Sociedade Brasileira da Ciência do solo (SBCS) não recomendam o seu uso para correção de acidez.

Por isso, atente-se à recomendação de calagem através da análise química do solo e a recomendação de um técnico e não terá problemas. 

Além disso, cuidado com doses altas de calagem. A calagem em sistema de plantio direto é superficial e de reação lenta. 

Altas doses podem causar a “supercalagem” na camada mais superficial (0-5 cm), como efeito reduz a disponibilidade de micronutrientes catiônicos e indisponibilizando o P.

Você conhecia esse efeitos que a calagem em plantio direto? Ficou alguma dúvida? Conte para nós!

Elaboração do artigo: Especialista Agrotécnico pelo Emergir Agropecuário.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.