fbpx
Gesso agrícola

Gesso agrícola: Usos e características

Gesso agrícola: Diferença entre gesso e calcário, funcionamento no solo, principais características e muito mais!

Gesso agrícola é mais um insumo agrícola que vamos tratar aqui no Agrotécnico, e tem funções importantíssimas para as características dos solos brasileiros.

No entanto, a confusão com a prática da calagem e sobre a real finalidade e funcionamento quando em contato com as partículas do solo é recorrente.

Aqui vamos esclarecer mais sobre o gesso e a prática da gessagem, de forma que você nunca mais esqueça sobre o tema e faça as melhores recomendações técnicas ou melhores safras (e até melhores notas).

A história do gesso agrícola no Brasil e o porquê da confusão com a calagem

O gesso tem uma história curiosa dentro das terras tupiniquins, e muito da confusão do seu real objetivo do seu uso é devido a isso.

No início da década de 80 o Brasil atingiu a sua autossuficiência em produção de fertilizantes fosfatados. 

No entanto durante a produção do MAP e do DAP (fertilizantes fosfatados), temos o gesso agrícola como subproduto (CaSO4- .2H2O). Para cada tonelada de P2O5 produzido são geradas 4,5 t de gesso, o que gera a necessidade de uma área de 0,5 ha para ser armazenado.

Portanto, era essencial que fosse vendido gesso no Brasil. Assim, a ideia inicial de se utilizar o gesso como insumo era devido à presença de enxofre na sua composição, mas logo quando ele começou a ser comercializado tentou-se vender a ideia de que o gesso funcionaria como um corretivo da acidez do solo, assim como o calcário.

O problema é que o gesso não corrige pH, embora tenha cálcio em sua composição. O que promove a correção da acidez do solo não é o cálcio contido no calcário e sim o carbonato. E o gesso agrícola não possui nenhum carbonato em sua fórmula.

Hoje, a produção anual  estimada é de aproximadamente 3 milhões de toneladas anuais e o consumo mal ultrapassa as 1,4 milhões de toneladas, o que é considerado um consumo baixo.

E isso tem motivo, já que como vimos aqui o gesso “entrou com o pé esquerdo” na agricultura brasileira.

Veremos a seguir porque o gesso não pode ser comparado ao calcário, já que não altera o pH.

Por que o gesso não altera o pH do solo?

Primeiramente, vamos para as características do gesso agrícola:

  • 26-28% de CaO
  • 15-16% de S
  • 30-40% de umidade
  • Solubilidade = 2,5 g L-1 (ou seja 200 vezes mais solúvel que o calcário)

No processo de adsorção do sulfato (SO4-) pelos óxidos e hidróxidos de Fe e Al há liberação de OH para a solução do solo, no entanto o pH não é alterado.

Isso ocorre porque o pH é elevado momentaneamente pela liberação do OH, o hexahidrônio de Al sofre hidrólise, liberando  H+ para o meio. Com isso, há um balanço entre ácidos e bases, fazendo com que o pH permaneça inalterado.

Em resumo, mesmo que seja liberado algo para neutralizar o pH, este é reequilibrado pelas próprias reações do solo.

Mas então, para que o gesso serve e por que ele é importante?

Qual a função do gesso agrícola?

O gesso agrícola é um fertilizante e condicionador do solo. Sua função é fornecer cálcio, enxofre e neutralizar o alumínio em subsuperfície do solo.

O fornecimento de cálcio e enxofre é pela sua composição, enquanto que a neutralização do alumínio (Al+3) ocorre pela formação do sulfato de alumínio (AlSO4).

Lembrando que Al+3 é tóxico para as plantas, enquanto que o AlSO4 é pouco absorvido pelas raízes.

Com isso, há diversos benefícios para os solos, conforme mostra os dados da Embrapa ilustrados na figura abaixo:

comparação do uso do gesso agrícola
Fonte: Embrapa

Benefícios do gesso agrícola

  • Em áreas com alto teor de sódio (solos salinos), o gesso o substitui por cálcio, diminuindo a salinidade, o que é comum em algumas regiões e/ou solos irrigados
  • Neutralização do alumínio em subsuperfície
  • Pode funcionar como “pá química” para calagem em plantio direto, já que consegue penetrar em camadas mais profundas do solo do que o calcário
  • Melhora a eficiência do uso da água e o fornecimento de nutrientes para plantas, já que aumenta a exploração do solo pelas raízes pela neutralização do alumínio
  • Reduz o escoamento, a erosão e a crosta do solo. A erosão começa quando a chuva ou as gotas de irrigação atingem o solo nu, destacando as partículas do solo. Os agregados estabilizados pelo gesso são menos propensos a crostas e erosões, pois o escoamento é limitado devido a agregados maiores e mais estáveis.
  • Fornecimento de cálcio e enxofre para as plantas

Quando usar o gesso ou quando fazer a gessagem?

Primeiramente, tenha a análise atual do solo da área em mão e verifique as condições que indicam a necessidade de gesso:

  • Cálcio menor que 0,5 cmolc/dm3
  • Alumínio maior que 0,5 cmolc/dm3
  • Saturação por alumínio maior que 20%
  • Saturação por bases (V%) menor que 35%

Há diversas formas de calcular a necessidade de gesso (o que é assunto para outro artigo), mas a mais comum é descrita na tabela abaixo:

Indicativo de calculo de dose de Gesso agrícola.
Fonte : Arte de CBHAGRO e conteúdo de CFSEMG e Embrapa

Elaboração do artigo: Especialista Agrotécnico pelo Emergir Agropecuário

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.