fbpx
micronutrientes

Micronutrientes: Aprenda como e quando usar na lavoura

Micronutrientes: saiba quais são, suas funções nas plantas, quais os sintomas de deficiência e quais as doses utilizadas nas lavouras de soja e milho.

Você já deve ter se deparado no campo com sintomas de deficiência de micronutrientes, não é mesmo?

Mas, você sabe dizer quais são os micronutrientes que as plantas necessitam para o seu desenvolvimento, quais as suas funções nas plantas e quais os sintomas da deficiência?

Neste texto separamos para você quais são os micronutrientes utilizados nas lavouras.

Quais são os macronutrientes e os micronutrientes?

Os macro e micronutrientes são elementos essenciais para o crescimento e desenvolvimento das plantas.

Eles são exigidos em diferentes quantidades e épocas de desenvolvimento das culturas.

Os macronutrientes são os nutrientes exigidos em maiores quantidades pelas plantas, são eles: 

  • macronutrientes primários: nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K);
  • macronutrientes secundários: enxofre (S), cálcio (Ca) e magnésio (Mg).

Já os micronutrientes são os nutrientes exigidos em menores quantidades, são eles: boro, zinco, ferro, cobre, manganês e molibdênio. 

Quais são os micronutrientes e suas funções?

Vamos entender agora um pouco sobre cada um desses micronutrientes.

Manganês (Mn)

O Mn influencia diretamente na fotossíntese, pois participa da produção dos cloroplastos.

A deficiência de Mn em soja pode ser observada pela clorose entre as nervuras das folhas.

Estes sintomas são visíveis primeiro nas folhas novas.

Vejam pelo gráfico abaixo que a disponibilidade de Mn reduz com o aumento o pH do solo.

Isso acontece em áreas onde o calcário é incorporado com grade a pouca profundidade, provocando excesso de calcário a 5 ou 10 cm, com elevação do pH acima de 7,0. 

fonte instituto Agro
Fonte: Instituto Agro

Em milho, os sintomas começam na parte superior da planta, com clorose internerval das folhas mais novas (reticulado grosso de nervuras).

Deficiência de Mn em milho.
Deficiência de Mn em milho. 
Fonte: UNIVAG.

Zinco (Zn)

As plantas de soja com deficiência de Zn tem os folíolos menores, com áreas cloróticas entre as nervuras.

Os sintomas de deficiência de Zn em soja são mais severos nas folhas basais. 

Uma lavoura de soja deficiente em Zn será de cor marrom amarelada quando vista de longe.

Dentre os prejuízos da falta de Zn em soja estão o atraso na maturação e poucas vagens produzidas. 

Para a cultura do milho, o Zn é o micronutriente mais limitante no Brasil. 

O sintoma de falta de Zn em milho tem início na parte inferior da planta, com faixas brancas ou amareladas entre a nervura principal e as bordas.

As folhas novas de milho que se desenrolam na região de crescimento são esbranquiçadas ou de cor amarelo-pálida.

A falta de Zn é muito comum na região Central do país, devido ao baixo teor de Zn no material de origem. 

Deficiência de Zn em milho
Deficiência de Zn em milho 
Fonte: Dekalb

Cobre (Cu)

A deficiência de cobre causa necrose nas pontas dos folíolos das folhas novas de soja.

As folhas de soja acabam ficando com aparência de perda de turgidez e de água, parecendo que secaram.

A deficiência de Cu na soja retarda o crescimento e, a cor da planta muda para verde acinzentado, verde-azulado ou cor de oliva.

Em milho, os sintomas de deficiência de Cu, começam na parte superior da planta, com amarelecimento das folhas novas logo que começam a se desenrolar, depois as pontas se encurvam e mostram necrose, além disso, o colmo é macio e se dobra.

Molibdênio (Mo)

O Mo, participa na fixação do nitrogênio (N2) do ar.

A deficiência de Mo em soja podem ser vista nas folhas que parecem verde-pálido e têm áreas necróticas adjacentes às nervuras centrais dos folíolos, entre as nervuras principais e ao longo das margens. 

A disponibilidade de Mo aumenta com o aumento do pH, assim a deficiência pode ser eliminada pela calagem.

Em soja, os sintomas iniciais são na parte inferior das plantas com pequenas manchas brancas nas nervuras maiores e, encurvamento do limbo ao longo da nervura principal.

Deficiência de molibdênio
Deficiência de molibdênio
Fonte: Ifope Educacional

Ferro (Fe) 

A deficiência de Fe reduz a produção de clorofila pela planta. 

Os sintomas de deficiência de Fe podem ser vistos inicialmente nas folhas novas de soja.

No estádio inicial do desenvolvimento dos sintomas, as áreas entre as nervuras dos folíolos das folhas de soja passam a apresentar cor amarelada.

À medida que ocorre uma evolução na severidade da deficiência, também as nervuras ficam amarelas e, finalmente, toda a folha fica quase branca. 

A deficiência de Fe normalmente ocorre em solos calcários, com pH acima de 7,0 ou, em solos com alta concentração de Al e Mn na planta que, reduzem a absorção de Fe.

Em milho, os sintomas iniciais são na parte superior das plantas, com clorose internerval em toda a extensão da lâmina foliar, apenas as nervuras ficam verdes (reticulado fino de nervuras).

Boro (B)

A deficiência de B aparece inicialmente causando um anormal e lento desenvolvimento dos pontos de crescimento apical. 

Os folíolos das folhas novas de soja são deformados, enrugados, com freqüência ficam mais grossos e com cor verde-azulado escuro.  

As folhas e os caules tornam-se frágeis e, as folhas do topo ficam de cor amarela ou avermelhada. 

Com a evolução da deficiência de boro, a elongação dos entrenós fica lenta, ocorre a morte dos pontos de crescimento e a formação de flores é inibida. 

Deficiência de boro
Deficiência de boro
Fonte: Ifope Educacional

Em milho, os sintomas de deficiência de B, começam na parte superior das plantas, com faixas alongadas aquosas ou transparentes que depois ficam brancas ou secas nas folhas novas.

O ponto de crescimento das plantas de milho morre, além disso tem-se baixa polinização.

Deficiência de B em milho
Deficiência de B em milho
Fonte: Laborsolo

Cloro (Cl) 

A deficiência de Cl é caracterizada por plantas cloróticas com folíolos que ficam flácidos nas bordas. 

Entretanto, a toxicidade de cloro é mais comum do que a deficiência. Entre os sintomas de toxicidade causada por cloro em soja estão:

  • queima das pontas dos folíolos ou da margem, conferindo-lhes cor de bronze;
  • amarelecimento;
  • queda prematura das folhas.

Cobalto (Co)

A deficiência de Co é muito difícil de acontecer em campo.

Caso ocorra, os sintomas são de clorose e encarquilhamento das folhas. 

O Co é fornecido às plantas via tratamento de sementes.

Como fazer a adubação com micronutrientes?

Com relação aos micronutrientes na cultura do milho, as quantidades requeridas são muito pequenas. 

Para uma produção de 9 t de grãos/ha de milho, são extraídos: 

  • 2.100 g de Fe
  • 340 g de Mn
  • 110 g de Cu
  • 400 g de Zn
  • 170 g de B
  • 9 g de Mo

A Tabela abaixo mostra os teores adequados de micronutrientes, que devem ser encontrados nas folhas, para a cultura do milho.

Para a cultura da soja, é feita a prevenção da deficiência com micronutrientes em solos sob Cerrado.

A recomendação de aplicação de micronutrientes é de:

  • Zn: 4 a 6 kg/ha; 
  • B: 0,5 a 1,0 kg/ha; 
  • Cu: 0,5 a 2,0 kg/ha; 
  • Mn: 2,5 a 6,0 kg/ha; 
  • Mo: 50 a 250 g/ha; 
  • Co: 50 a 250 g/ha.

Conclusão

No texto de hoje você aprendeu quais são os micronutrientes essenciais para as plantas.

Você também pode ver quais os sintomas de deficiência dos micronutrientes em soja e em milho.

Além disso, passamos para você quais as recomendações de adubação com micronutrientes em soja e em milho.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre como usar os micronutrientes na lavoura? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Redatora Emergir: Ana Lígia Giraldeli, Engenheira Agrônoma formada na UFSCar, mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar), Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ) e especialista em Agronegócios. Atualmente professora da UNIFEOB.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.