fbpx >
Soja engalhada

Arquitetura vegetal : Egalhamento e a produtividade em soja

A arquitetura vegetal é um importante fator de produtividade da cultura. Promover o melhor egalhamento do cultivar e  entender como manejar isso em soja é fator de sucesso para produtividade. 

O que temos visto nos últimos anos, devido ao melhoramento genético em soja, a altura das plantas de soja tem sido significativamente reduzida, principalmente com o objetivo de diminuir os problemas de acamamento, reduzir o autosombreamento, ter uma maior resposta à nutrição e aumentar a inserção de vagens no terço inferior da plantas.

Para melhor gerenciar como podemos aumentar a formação de melhores arquitetura vegetal e a formação das estruturas vegetativas a partir dos nós de crescimento, é importante entender as principais características das plantas quanto ao seu hábito de crescimento.

Em cultivares de hábito determinados ocorre a interrupção abrupta do crescimento no estádio R1 enquanto as folhas continuarão a desenvolver-se nas ramificações. Essas plantas tem seu florescimento ocorrendo ao mesmo tempo em todos os nós da planta, assim como a formação de vagens e grãos, as folhas tem uma certa uniformidade em tamanho, e as plantas apresentam um longo racimo terminal no ápice do caule.

A arquitetura vegetal dos cultivares de hábito indeterminado, o número de nós no caule principal aumenta até o estádio R5, sendo que o número final ocorre devido o número de dias do V1 a R5.5, sendo o crescimento linear, com a formação de um nó a cada 3,7 a 5 dias (Pedersen, 2007 citado por FLOSS, 2021), dependendo da temperatura. 

Deixar claro essas diferenças nos ajuda a entender quando e como devemos organizar nosso manejo para aproveitar com mais assertividade as características de cada cultivar. Ainda assim apenas determinações genéticas não são sufucientes para ter a resposta em estruturação de formação de galhos e estatura das plantas.

O professor Elmar Floss em seu livro “Maximizando o rendimento da soja” apresenta que a estatura das plantas de soja, dependem de muitos fatores, tais como: 

a) cultivar; 

b) época de semeadura; 

c) população de plantas; 

d) disponibilidade de água; 

e) temperatura; 

f) hábito de crescimento; 

g) disponibilidade de nutrientes; e, 

h) dias nublados.

Cada um destes itens apontados gera muitos outros assuntos, porém nesta postagem vamos nos atentar em como garantir que a característica da cultivar possa se expressar com melhor desempenho a estruturação vegetativa adequada para a maior expressão de produtividade, ou seja como moldar a arquitetura de plantas. 

Arquitetura vegetal 

A arquitetura vegetal de soja tem aparecido como um importante fator de produtividade da cultura. Esse componente afeta diretamente em como será a interceptação de luz solar durante o ciclo. 

O número de entrenós e o seu comprimento na haste principal, assim como o número e comprimento de ramificações, comprimento e número de folhas são o conjunto de aspectos estruturais que levam ao entendimento de como deve ser a melhor uma arquitetura da planta.

Componentes da estrutura vegetal para Produtividade 

Engalhamento e ramos

Número de ramos 

Os Ramos produtivos garantem a estruturação necessária para o arranjo de estruturas reprodutivas que se transformarão em vagens. A característica genética da cultivar determina o potencial de formação desses ramos, porém fatores ambientais podem comprometer a eficiência das suas formações 

Engalhamento e nós

Número de nós 

Os nós reprodutivos  são fator chave para a formação de produtividade pois é deles que vão surgir as flores e vagens, consequentemente. No entanto é preciso que haja um equilíbrio hormonal alinhado a atenuação de estresses para que a diferenciação de gemas ocorra de maneira satisfatória para uma maior a produtividade.

Engalhamento e folhas

Área foliar 

Na cultura da soja a alteração da atividade fonte (folhas) durante o florescimento e enchimento de grãos, normalmente resulta na alteração do numero de vagens e grãos, indicando uma função fundamental das folhas nesse período. Manter uma quantidade equilibrada de área foliar garante o abastecimento adequado para os grãos e não exige que a planta transloque energia para estruturas vegetativas no momento errado, comprometendo a distribuição correta para os grãos.

Engalhamento e Vagens

Número de Vagens 

rincial componete de rendimento da soja. A fixação das vagens (pegamento) é limitado pelos estresses bióticos e abióticos. A conversão da flor em vagens é estimulado pelo maior teor de citocininas e pela baixa concentração de etileno e ácido abscísico.  

A arquitetura de plantas no manejo 

Normalmente quando vemos cultivares de soja com eficiência na interceptação de luz no terço inferior, também é notado uma maior eficiência na deposição de gotas dos produtos aplicados , levando ao melhor controle sanitário e consequentemente melhor produtividade.

Para um bom desenvolvimento de estruturas vegetativas é preciso haver o crescimento e desenvolvimento de raízes de forma adequada. Dessa forma o incremento no volume radicular pode refletir diretamente no aumento do crescimento da estrutura da parte aérea.

Com melhor sistema radicular à absorção de água e nutrientes e à regulação do crescimento da parte aérea pela produção de hormônios neste local (ácido abscísico, citocinina e estrigolactona), proporcionam uma resposta em desenvolvimento de parte aérea satisfatório para o aumento de estruturas vegetativas.

Estímulos para arquitetura de plantas

O Hormônio considerado chave para a formação de ramificações da parte aérea de plantas, é a citocinina. Esse hormônio atua na divisão celular, mobilização de nutrientes e longevidade foliar. Sua produção ocorre no ápice das raízes e translocado para a parte aérea das plantas através do xilema.

Como a citocinina também age na diferenciação de gemas laterais para formação de ramificações, plantas com maior volume de raízes apresentam grande potencial de desenvolvimento de ramificações da parte aérea.

Dessa forma, o aumento na concentração de citocinina em plantas de soja pode ser uma opção interessante, pois tem se buscado o aumento do número de nós pela redução da distância dos entrenós e/ou aumento no número de ramificações, nessa cultura.

Como já apresentado anteriormente, o nó representa uma gema reprodutiva, que pode formar um racemo contendo várias flores. Isso determina o aumento na “caixa produtiva” que fisiologicamente é designada por aumento no potencial de formação de flores.

Elaboração do artigo: Deyvid Bueno

Criador do Agrotécnico, engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Especialista em Fertilidade do solo e nutrição vegetal pela FAZU, MBA em Gestão, Empreendedorismo e Marketing pela UFRS. Atualmente, Gerente de Desenvolvimento de Mercado na Fertiláqua/ICL.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.