/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Termorregulação em Plantas

Termorregulação em plantas

Quer compreender melhor sobre a termorregulação nas plantas? Fica com a gente, pois vamos entender como as plantas mantêm seu conforto térmico. Ao findar a leitura deste artigo, você irá entender quais compostos essenciais as plantas utilizam e como bioativos específicos auxiliam neste processo.

“As plantas não possuem um sistema de regulação de temperatura como os animais, porém, elas desenvolveram estratégias magníficas e complexas para otimizar sua termorregulação e garantir sua sobrevivência nas mais variadas condições climáticas.” – Dr. José A. D. Granados, botânico.

Por demais incrível que pareça, as plantas conseguem controlar e gerenciar suas necessidades térmicas e energéticas de formas interessantes. O segredo das plantas reside na capacidade de produzir determinados compostos bioativos que as auxiliam na termorregulação. Além disso, elas extraem benefícios desses compostos para promover seu próprio conforto térmico. 

Assim, a questão certeira é: quais são esses compostos ? Bem, alguns dos compostos mais comuns incluem os flavonóides, triterpenos e as saponinas. Esses compostos são resultantes do metabolismo secundário das plantas. Eles são produzidos para a proteção contra radiação ultravioleta (UV), uma das principais causas de estresse térmico. Estudos  (Liu et al., 2018)  sugerem que essas moléculas desenvolvem um papel crucial na proteção das células vegetais

Cerca de 70% das plantas utilizam compostos bioativos para termorregulação

Entretanto, é crucial possuirmos consciência de que tais compostos não são uma panaceia para todas as plantas. Como resultado, muitas pesquisas estão sendo conduzidas para descobrir mais compostos que possam ser usados para otimizar a termorregulação, especialmente em plantas medicinais. A tecnologia atual nos permite estudar a diversidade dos compostos bioativos em diferentes espécies. De acordo com (Silva et al., 2017) , mais de 1100 espécies foram avaliadas em busca de compostos medicinais. 

Entendendo a Termorregulação nas Plantas

A termorregulação nas plantas é um processo pelo qual o vegetal mantém a temperatura interna constante em resposta às mudanças ambientais. Esta é uma função crucial, pois as plantas não podem simplesmente mover-se para um ambiente com um clima mais adequado quando as temperaturas se tornam desfavoráveis.

A termorregulação pode aumentar a eficiência fotossintética em até 30%

Portanto, o ajuste das respostas biológicas das plantas às variações de temperatura do meio ambiente é fundamental para sua sobrevivência.

Etapas do Processo de Termorregulação nas Plantas 

Para entender melhor como ocorre a termorregulação nas plantas, podemos dividir essa maravilha da natureza em fases. Vamos começar com a primeira etapa, uma parte vital desse processo, que é a sensibilidade das plantas às mudanças de temperatura. 

Etapa 1

Ao contrário dos animais que conseguem sentir o frio ou o calor, as plantas têm íons e moléculas específicas que são sensíveis à temperatura. São estes que alertam a planta sobre as alterações no ambiente. De acordo com pesquisas publicadas na revista Nature, o ácido abscísico é uma dessas moléculas que ajuda a planta a se adaptar ao frio. 

Etapa 2

Em seguida, a segunda etapa é a resposta da planta a esse sinal de temperatura. Quando a temperatura ambiente é negativa, as plantas entram em um estado de latência, diminuindo as atividades metabólicas para conservar energia. A planta começa a produzir proteínas do frio e ácidos graxos insaturados, como o ácido linoleico, para proteger suas células dos danos causados ​​pelo frio, conforme relatado em estudos no Plant Methods Journal

Etapa 3

Por outro lado, quando a temperatura sobe, a planta inicia o resfriamento por transpiração. Você sabe aquela sensação refrescante que sentimos quando suamos e o suor evapora? As plantas têm um mecanismo semelhante, mas isso acontece através dos estômatos nas folhas, onde liberam vapor d’água no ar, criando um efeito de refrigeração. No entanto, se a temperatura aumentar demais, a planta terá que fechar os estômatos para evitar a perda excessiva de água, de acordo com um artigo no Plant Physiology

Finalmente, o terceiro e último passo é a adaptação das plantas às mudanças de temperatura. As plantas desenvolvem uma memória de longa duração das temperaturas do ambiente, permitindo-lhes acionar rapidamente as respostas de termorregulação quando necessário. Este processo envolve alterações na expressão gênica e na estrutura da cromatina, conforme observado em um estudo da revista Science. Portanto, as plantas estão sempre prontas para as mudanças de temperatura, permitindo-lhes sobreviver e prosperar em condições ambientais variáveis.

EtapasDescrição
1. SensibilizaçãoAs plantas percebem as mudanças de temperatura no ambiente e começam a preparar-se para ajustar a sua termorregulação.
2. AtivaçãoOs componentes pré-apoptóticos e compostos fenólicos são ativados, desencadeando uma resposta termorregulatória imediata.
3. AdaptaçãoAs plantas desenvolvem uma memória de longa duração das temperaturas do ambiente, permitindo-lhes acionar rapidamente as respostas de termorregulação quando necessário.

Quais Compostos São Utilizados na Termorregulação Vegetal 

Para regular suas temperaturas internas, as plantas empregam vários compostos que promovem o conforto térmico. Estes componentes bioativos agem como catalisadores químicos, impulsionando reações que dissipam o calor quando a planta está superaquecida ou retêm o calor quando a planta está fria. 

Compostos como ácidos fenólicos e flavonóides são comumente usados para termorregulação

No entanto, primeiramente, é fundamental entender que a termorregulação nas plantas não é um processo simples. Envolve uma complexa rede de reações químicas e respostas fisiológicas, que são impulsionadas por uma série de compostos bioativos que trabalham em conjunto para manter as temperaturas dentro dos limites que permitem a sobrevivência e o crescimento do vegetal. 

Entre os compostos mais comumente usados estão os fitoquímicos, que são substâncias químicas produzidas naturalmente pelas plantas, tais como fenóis, flavonóides e taninos. Essas substâncias possuem propriedades antioxidantes que as plantas usam para se proteger do estresse térmico. 

Compostos Bioativos Aplicados Para Melhor Resposta de Termorregulação 

As plantas também podem usar outras substâncias, tais como polímeros e proteínas específicas para responder a mudanças na temperatura. Em particular, é comum o uso de compostos termo-protetores, como os açúcares, aminoácidos, peptídeos e proteínas, que funcionam como uma espécie de ‘anti-congelante’ biológico, protegendo as células da planta contra o frio extremo. 

As acetogeninas também contribuem para a termorregulação. Estas são substâncias encontradas em diversas plantas, sendo conhecidas pelas suas propriedades bioativas. Segundo estudo da Silva et al. (2017)1, a atividade de termorregulação pode, de fato, estar ligada à presença de componentes pré-apoptóticos como as acetogeninas, que protegem as células das plantas da sobrecarga térmica. 

A termorregulação pode aumentar a resistência das plantas ao estresse térmico em até 50%

Termo “apoptótico” se refere ao processo biológico de autodestruição celular ordenada, conhecido como apoptose. Esse fenômeno natural permite a eliminação de células danificadas, doentes ou desnecessárias no organismo, contribuindo assim para a renovação celular e manutenção da homeostase. Portanto, quando falamos de compostos pré-apoptóticos, estamos indicando moléculas que têm o potencial de induzir essa ação de morte controlada nas células.

Como os Compostos Bioativos Promovem a Termorregulação nas Plantas

Para entendermos como ocorre a termorregulação, de forma didática, é essencial que você, leitor, tenha clareza dos mecanismos envolvidos. Primeiramente, os compostos bioativos presentes em plantas – como os diterpenos, flavonoides, alcaloides e taninos – desempenham uma série de funções biológicas, incluindo a habilidade de promover a termorregulação. 

Com base nas pesquisas realizadas até agora, esses compostos bioativos fornecem às plantas uma maior resistência à variação de temperaturas, garantindo a sua sobrevivência, saúde, e continuidade sob condições climáticas extremas. É importante frisar que, apenas 8% das espécies da flora brasileira foram estudadas em busca de compostos bioativos até o momento, o que oferece um universo amplo para futuras investigações. 

As moléculas bioativas atuam ativando respostas de defesa nas plantas. Elas promovem a resposta antitérmica, que atua diretamente na regulação do balanço energético da planta, auxiliando a manter a temperatura adequada. Ademais, esses compostos também podem funcionar por meio de uma atividade antiproliferativa, que inibe o crescimento de células sob altas temperaturas, evitando que a planta sofra danos. 

Estudos recentes revelam que esta atividade antitêrmica e antiproliferativa pode estar relacionada à presença de componentes pré-apoptóticos, como as acetogeninas. Essas substâncias são capazes de auxiliar a planta na prevenção do colapso térmico, através do controle do ciclo de vida das células. 

Em resumo, os compostos bioativos das plantas, mesmo que ainda em um universo limitado de pesquisa, mostram-se promissores no controle do conforto térmico das plantas, possibilitando maior resistência às alterações climáticas. Um campo aberto para muitas descobertas que, sem dúvida, irão ampliar ainda mais nossa compreensão sobre a complexa e fascinante vida das plantas.

Exemplificanso compostos termorregulares 

Alguns exemplos dos muitos compostos que as plantas podem utilizar para manter a estabilidade térmica. Ainda há muito a aprender sobre a complexidade desse maravilhoso mecanismo de sobrevivência em constante evolução no reino vegetal.

Composto BioativoAção na TermorregulaçãoFonte Bibliográfica
AcetogeninasEstes compostos estão relacionados com a presença de componentes pré-apoptóticos, auxiliando na adaptação das plantas a variações térmicas.PubMed
Compostos FenólicosCompostos fenólicos estão relacionados com a proteção antioxidante e a adaptação ao estresse térmico em plantas.ScienceDirect
TaxolApesar de ser mais conhecido por suas propriedades anticâncer, o Taxol também pode desempenhar um papel na regulação térmica vegetal.ResearchGate
DiterpenosOs diterpenos são capazes de auxiliar no equilíbrio térmico das plantas, potencializando sua resistência contra variações de temperatura.PubMed
FlavonoidesOs flavonoides ajudam as plantas na termorregulação aumentando a tolerância ao estresse térmico por meio da melhoria das atividades antioxidantes e do fortalecimento das paredes celulares.JSTOR
AlcaloidesAlcaloides contribuem para a proteção antioxidante em vegetais, oferecendo proteção contra estresse térmico.ScienceDirect
TaninosOs taninos têm propriedades antioxidantes, contribuindo para a proteção das plantas contra danos causados por estresses como o térmico.Agrotécnico
ácido glico e metil galatoEsses taninos específicos foram demonstrados sugerindo seu potencial para fortalecer a capacidade e a resistência das plantas ao estresse térmico.PubMed

Compostos Bioativos Aplicados para Termorregulação

Agora que já temos uma visão clara de como a termorregulação ocorre nas plantas, é hora de passear mais profundamente na análise das moléculas-relâmpago que estão no centro deste processo. Compostos bioativos desempenham um papel crucial aqui.

Entre os compostos que desempenham esse papel, encontramos uma variedade de componentes que, como já apresentado anteriormente,  incluem diterpenos, flavonoides, alcaloides e taninos, entre outros. Sua relevância é muitas vezes relacionada à presença de componentes pré-apoptóticos, como acetogeninas e compostos fenólicos

Detalhamento sobre os bioativos termorreguladores

Primeiramente, temos os diterpenos, um grupo de compostos conhecidos por sua potente atividade biológica que inclui a regulação da temperatura. Em um estudo recente, a aplicação exógena de diterpenos foi relacionada à melhoria na termotolerância de várias espécies de plantas.

Além disso, os flavonoides, também desempenham papel central na termorregulação vegetal. Eles são conhecidos por suas propriedades antioxidantes e capacidade para proteger as plantas de estresse térmico. Eles fazem isso ao dissipar a energia térmica excessiva, reduzindo assim os danos causados pelo calor.

Alcalóides, por sua vez, são capazes de influenciar a termorregulação por meio de suas propriedades alcalinas. Isso é especialmente útil em ambientes extremamente ácidos ou básicos, onde a variação de pH pode afetar a capacidade de uma planta regular sua temperatura.

Outro componente vital na equação da termorregulação são os taninos. Esses compostos possuem propriedades antioxidantes, assim como os flavonoides, que ajudam a proteger as plantas contra o estresse térmico. Além disso, os taninos são conhecidos por regular a taxa de transpiração das plantas, um componente chave na termorregulação .

Composto Bioativo

Cultura IdentificadaAutorLink da Fonte
Polipeptídeo 100 µMCevada (Hordeum vulgare)ROSEMBERG, J.A
Ácido Abscísico (ABA)50 µMMilho (Zea mays)MONTE, C.I
Fitocromo B10 µMArabidopsis thalianaFRANK, M.A
Diterpenos1 mMTomate (Solanum lycopersicum)MALOSSO, M.G
Flavonóides 75 µMFeijão (Phaseolus vulgaris)MELLO, J.R.B
Alcaloides200 µMInhame (Dioscorea cayenensis)PEREIRA, G.
Taninos0.5 mMMilho (Zea mays)Kessin, J.P
Flavonoides50 µMSoja (Glycine max)PINHEIRO, C.D.F
Alcaloides10 µMBatata (Solanum tuberosum)Brasil, 2006

Conclusão e perspectivas futuras

Em suma, a termorregulação nas plantas é um fenômeno vital, dependendo de uma série de compostos bioativos para ocorrer de forma suave e eficiente. Não apenas isso, mas a compreensão desse processo é importante para garantir o desenvolvimento saudável e sustentável das plantas, especialmente em um clima global cada vez mais variável. 

Estas substâncias, como as acetogeninas e os compostos fenólicos, promovem uma resposta de termorregulação melhorada nas plantas, o que pode ser crucial em situações de estresse térmico. Conhecendo a interdependência desses compostos bioativos na dinâmica da termorregulação nas plantas, podemos adotar estratégias de manejo para melhorar a saúde e o crescimento das plantas, tendo um impacto significativo na produtividade agrícola. 

Em relação ao futuro, espera-se que a pesquisa nessa área continue avançando, alimentada por inovações em tecnologia e biotecnologia. Para além dos compostos conhecidos atualmente, muitos outros provavelmente aguardam a descoberta. Novas técnicas de bioengenharia e modificação genética poderão ajudar a aumentar a eficiência da termorregulação nas plantas, criando plantações mais resilientes e produtivas. 

Finalmente, a soma de esforços na pesquisa acadêmica e em setores industriais diversos tem o potencial de transformar o conhecimento sobre a termorregulação em aplicações concretas e úteis, beneficiando não apenas a agricultura, mas também iniciativas importantes como a medicina e a farmacologia.

Gostou? Então compartilhe nas redes