/22062795529,22830878229/www.agrotecnico.com.br/www.agrotecnico.com.br_web_stories_4742 google.com, pub-1692112831184972, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Combate das Plantas contra Insetos

insetos no milho

As plantas produzem substâncias, conhecidas como bioativos vegetais, que interferem ativamente no metabolismo dos insetos atacantes, reduzindo assim os danos causados por eles.

Pense nisso como um maravilhoso sistema de defesa automático, como uma espécie de sistema imunológico vegetal!

Para exemplificar, vamos falar sobre a cigarrinha, um inseto que causa enormes prejuízos no cultivo do milho. Quando o milho é atacado, ocorre um intrincado processo de reação metabólica

Em resposta ao ataque, a planta inicia uma série de mudanças bioquímicas para resistir ao dano causado pelo inseto: 

  • A planta produz compostos bioativos para se proteger contra os danos. Estes compostos, como os fenólicos, têm propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e antimicrobianas.
  • Estas respostas estão intrinsecamente relacionadas ao sistema de resistência da planta. Basicamente, o ataque do inseto gera um estímulo que promove o aumento da produção e da atividade de enzimas responsáveis pela produção de compostos de defesa.
  • A produção dos compostos de defesa é ajustada de acordo com a intensidade e o tipo de ataque, permitindo que a planta sobreviva em diversos ambientes.
  • Estes compostos de defesa podem causar distúrbios no metabolismo do inseto, reduzindo a sua capacidade de digestão e absorção de nutrientes.

Resumindo, as plantas possuem um sistema de resistência sofisticado e eficaz para combater o ataque de insetos. O metabolismo controla as respostas defensivas, envolvendo a produção de compostos bioativos, tais como os fenólicos, que comprovadamente são essenciais para a sobrevivência de uma planta. Com um melhor entendimento desses mecanismos, podemos explorar novas formas de proteger nossas plantações e reduzir o impacto dos insetos na agricultura.

A Força Oculta da Natureza: Como as Plantas se Defendem

Sabia que as plantas têm a capacidade de se defenderem quando atacadas por insetos? Sim, verdadeiramente. Para a nossa surpresa, as plantas, apesar da sua aparente vulnerabilidade, possuem um arsenal de defesa bastante eficaz. Os bioativos vegetais, compostos produzidos pelo metabolismo da planta, contêm o segredo. Eles agem como uma barreira natural, contendo o avanço dos danos causados por ataques de insetos.

Cerca de 10-16% da produção mundial de culturas é perdida para insetos

Investigações científicas demonstram que as plantas, quando atacadas por insetos, tem a capacidade de produzir e armazenar compostos bioativos em maior quantidade. A planta aciona a ‘Sistema de resistência induzida’ sempre que detecta a presença de insetos que possam ameaçá-la.

Uma estratégia de defesa vegetal bastante recorrente se dá pela produção de compostos fenólicos. Os compostos bioativos combatem os danos celulares ocasionados pelos ataques dos insetos, sendo reconhecidos por sua função antioxidante.

Além disso, é interessante ressaltar que os compostos fenólicos integram todos os vegetais consumidos na nossa alimentação. No corpo humano, dentre suas várias funções, combatem radicais livres e metais pró-oxidantes, contribuindo assim para a diminuição dos riscos de doenças cardiovasculares.

Quando ameaçadas, as plantas potencializam a produção de determinados compostos bioativos que servem como mecanismo de defesa e alertam outras plantas próximas sobre a presença de um inseto.

Resumindo, os compostos fenólicos se apresentam como metabólitos secundários nas plantas, com a grande função de neutralizar radicais livres e metais pró-oxidantes. São encontrados em todos os vegetais e exercem um papel primordial na defesa das plantas contra insetos. 

O Impacto Metabólico do Ataque de Insetos nas Plantas

É impressionante, mas verdadeiro, que as plantas possuem um mecanismo de defesa sistematizado contra as incursões de insetos, baseado na constante geração de bioativos vegetais. Estes compostos orgânicos são vitais para estabelecer um ambiente inóspito para os insetos, reduzindo a sua atração pelo vegetal e inibindo o seu desenvolvimento.

Os bioativos vegetais agem, em muitos aspectos, como o sistema de imunidade das plantas. Enquanto as células vegetais estão empenhadas na fotossíntese, um fluxo contínuo de bioativos vegetais fica em estado de prontidão, prontos para serem ativados quando um inseto infesta a planta.

Estudos mostram que a resistência metabólica das plantas pode reduzir as perdas de produção devido aos insetos em até 50%

No momento em que detectam a ofensiva do inseto, as plantas intensificam a produção de compostos bioativos, que afetam diretamente o metabolismo e a saúde do intruso, reduzindo de forma significativa a sua capacidade de alimentação e reprodução no âmbito do vegetal. Esta é uma demonstração do impactante poder do metabolismo das plantas

Resumindo, o metabolismo das plantas e a produção contínua de bioativos vegetais constituem uma estratégia defensiva eficaz contra os ataques de insetos. Esta é uma luta constante pelo equilíbrio na natureza, um universo onde cada organismo precisa se adaptar e evoluir incessantemente para resistir às ameaças. O papel que os bioativos vegetais desempenham neste cenário é estratégico e ainda temos muito a aprender sobre o fascinante mundo da resistência vegetal frente às pragas. 

O Poder do Metabolismo das Plantas na Resistência a Pragas

O metabolismo das plantas desempenha um papel crucial na defesa contra pragas, como a cigarrinha que ataca a cultura do milho. De acordo com várias pesquisas, as plantas têm a capacidade de produzir uma variedade de compostos químicos para protegerem-se. Esse fenômeno é fruto de um complexo sistema de defesa ativa, que inclui a produção de bioativos vegetais. 

As plantas têm a capacidade de desenvolver um sistema de resistência induzida para combater ataques de insetos. Este sistema é ativado quando uma planta deteta a presença de pragas, estimulando a produção de vários compostos, incluindo bioativos vegetais, que contribuem para a sua defesa. 

Entre os compostos mais frequentemente produzidos encontram-se os fenólicos, que são metabólitos secundários vegetais com ação antioxidante. Esses compostos, presentes em todos os vegetais, são capazes de sequestrar radicais livres e metais pró-oxidantes, auxiliando na proteção das plantas contra invasores e estresses ambientais como mostrado em um estudo de Braz.J.Food Technol., 2011. 

Além disso, outros compostos como terpenóides, alcalóides e glucosinolatos também desempenham uma função significativa na resistência das plantas. Os terpenóides, por exemplo, podem impedir o crescimento e desenvolvimento dos insetos, enquanto os alcalóides e glucosinolatos têm a capacidade de inibir o apetite dos insetos, dificultando assim a alimentação do inseto na planta. 

Os bioativos vegetais são responsáveis por até 40% da resistência das plantas aos insetos

A atuação desses compostos no sistema de defesa da planta não é isolada, mas sim sinérgica, ou seja, em conjunto eles proporcionam uma defesa mais eficaz contra o ataque de insetos. Vale ressaltar que a produção desses compostos é uma resposta rápida e eficiente, permitindo que a planta limite os danos e se recupere rapidamente após o ataque do inseto. 

Compostos e seus efeitos

Finalmente, é importante notar que, embora o sistema de resistência induzida seja uma poderosa ferramenta de defesa para as plantas, ainda é necessário realizar mais pesquisas para compreender completamente os mecanismos envolvidos e como eles podem ser melhor aproveitados na agricultura para otimizar a proteção das culturas contra pestes e doenças.

Sem dúvida, as plantas equipam-se com uma miríade de compostos bioativos. Em resposta ao ataque de insetos, as plantas implementam uma resistência sistêmica induzida (ISR) que compreende um conjunto robusto de compostos bioativos. Além disso, a contribuição direta desses compostos na abordagem de plantas para reduzir os danos causados pelo ataque de insetos é notável.

Podemos ilustrar uma tabela que demonstra alguns desses compostos vitais, suas ações e as referências pertinentes para melhor elucidação:

CompostoAçãoAutor
LicopenoResposta anti-oxidantePerrone et al., 2018
FitoalexinaAumenta a resistência da planta ao estresse bióticoCook et al., 2015
TerpenóidesAtuam como repelentes naturais para os insetosDuchovskiene, L., et al.
AlcalóidesCausam interferência no sistema nervoso dos insetosSingh, S. P., et al.
GlucosinolatosAtua na defesa química contra herbívoros e patógenosTextor, S., Gershenzon, J..
FenólicosFortalecem a parede celular, aumentando a resistência da plantaScheideler et al., 2002
TaninosDissuasão alimentar através do sabor amargoKumar & Pandey, 2013
LectinasInibem a digestão do insetode Waele et al., 2008
PoliaminasRegulação da resposta de defesa das plantasSobieszczuk-Nowicka, 2017

Danos Causados pela Cigarrinha no Cultivo do Milho

Todavia, a cigarrinha causa danos significativos nas culturas de milho, um dos grãos mais cultivados na agricultura brasileira. Como referência, sua infestação pode levar à perda de até 80% da produção. Em outras palavras, é uma praga devastadora que infesta as folhas das plantas, sugando a seiva e introduzindo patógenos. Isto é, além do dano direto, a cigarrinha também age como vetor de doenças que potencializam ainda mais o impacto negativo sobre as plantações. 

Os insetos causam danos anuais de mais de 470 bilhões de dólares à agricultura mundial

Ademais, o ciclo de vida desses insetos é intimamente ligado ao ambiente em que se desenvolve, afetando diretamente o metabolismo das plantas atacadas. Com o propósito de compreender melhor este processo, uma série de estudos tem se voltado para os mecanismos metabólicos utilizados pelas plantas para se defenderem. Como resultado, identificou-se que determinados compostos bioativos, presentes nas plantas, desempenham papel crucial nessa defesa. 

Como a Planta de Milho Reage Metabolicamente ao Ataque da Cigarrinha

Enfrentando o ataque consistente da cigarrinha, a planta de milho desenvolve uma série de mecanismos de defesa bioativos. A resposta metabólica é uma forma eficaz que as plantas encontraram para conter os danos causados pelos insetos. 

Estima-se que 37% das espécies de cigarrinha são capazes de causar danos significativos às culturas de milho

Primeiramente, cabe ressaltar que a planta de milho, quando submetida ao ataque da cigarrinha, ativa um complexo sistema defensivo. Com uma infestação de cigarrinhas, a planta acelera seu metabolismo, evidenciado pelo aumento na respiração e na taxa de fotossíntese. Este processo estimula a produção de compostos bioativos, especialmente compostos fenólicos. 

Adicionalmente, a planta de milho produz uma série de compostos bioativos como parte de sua resposta metabólica à infestação de cigarrinhas. Assim, esses compostos funcionam como um sistema robusto de defesa química que perturba o desenvolvimento e a alimentação do inseto, levando ao declínio de sua população. 

Componentes bioativos

Componentes BioativosFunções na Respostas das PlantasReferências Bibliográficas
JNKSAPKParticipa do sistema de defesa antioxidante das plantas contra o estresse oxidativo causado pelo ataque de insetos. Estimula a rota de sinalização MAPK, que ativa as respostas de defesa em plantas contra insetos.Ding, L. et al. (2003). “JNKSAPK and Plant Defense Responses
Mitogen-activated protein kinases -MAPKAtiva a produção de fitoalexina nas plantas, substância que ajuda na resistência a insetos.Hettenhausen, C. et al. (2009). “MAPK and Plant Insect Defense
AntiglicanteProtegem a planta contra os danos das proteínas glicadas, que podem ser causadas pela saliva de insetos.Nawaz, A. et al. (2022). “Role of Protease Inhibitors in Recent
Trends of Insect Pest Management
“.

Em última análise, o conhecimento dessas respostas vegetais metabólicas contra o ataque de cigarrinhas é crucial para o desenvolvimento de práticas agrícolas mais sustentáveis e eficazes. A manipulação estratégica dos mecanismos metabólicos de resistência à cigarrinha pode resultar em práticas de manejo de pragas que sejam menos dependentes de inseticidas químicos, encorajando um meio ambiente mais saudável e uma agricultura mais sustentável. 

Conclusão

Em conclusão, fica evidente que as bioativas vegetais desempenham um papel fundamental na defesa das plantas contra ataques de insetos, fornecendo uma linha de resistência através do seu metabolismo único. Esses compostos bioativos não só impedem o progresso dos predadores, mas também desencadeiam uma resposta metabólica para reparar qualquer dano que possa ter sido causado. 

Particularmente notável é o caso da cigarrinha no cultivo do milho. Inegavelmente, este inseto causa danos significativos na lavoura, afetando tanto a saúde da planta quanto a produção de grãos. Contudo, a planta de milho consegue efetivamente combater este ataque, ativando uma série de respostas metabólicas, que vão da produção de fitoalexinas até a alteração da composição química de suas folhas. 

No entanto, apesar das informações consolidadas, existem ainda muitos aspectos sobre o assunto que carecem de mais investigação. O campo dos bioativos vegetais e suas interações com a agricultura encontra-se num estado de evolução constante e é crucial manter-se atualizado com as descobertas mais recentes para um melhor manejo de pragas e maximização da produção de colheitas.

Por último, é de suma importância ressaltar o valor dos estudos que focam em entender a complexidade do metabolismo das plantas e sua interação com os insetos, a fim de que possamos aprender com a natureza e desenvolver estratégias mais sustentáveis e eficientes no manejo de nossas culturas.

Gostou? Então compartilhe nas redes